Category archive

Nibirus

FIM DO MUNDO ADIADO MAIS UMA VEZ – NASA GARANTE QUE NENHUM ASTEROIDE AMEAÇA A TERRA

in (JPL) Jet Propulsion Laboratory/Asteroides/Cometas/Conspiracy theories/Espaço/FIM DO MUNDO/NASA/News/Nibirus/Planeta X/Profecias/Quedas de Objetos/Universo by

De acordo com a NASA, não há nenhuma razão para temer um ataque devastador de um asteroide no próximo mês, segundo afirmam os Teóricos da Conspiração.

Nos últimos meses, rumores têm circulado na Internet que um grande asteroide vai bater em terra perto de Poto Rico, entre 15 de setembro e 28 de setembro, causando destruição generalizada em toda as regiões costeiras dos Estados Unidos, México, Caribe, América Central América do Norte e do Sul.

Alguns destes rumores, o que chamamos de teorias da conspiração, são capazes de associar eventos climáticos e até mesmo exercícios padrões das forças armadas para reforçar suas histórias.

Nibiru, ou Planeta X.
Concepção artística do planeta errante Nibiru, ou Planeta X.

Claro que este é um assunto recorrente todos os anos, quando não são profecias as atenções voltam para possíveis ameaças vindas do espaço, entre elas asteroides, cometas e até mesmo o famoso Nibiru que por sua vez é o campeão de teorias do apocalipse todos os anos.

A regra básica é simples, Não acredite em Hypes. O que seria um Hype, bom, não passa de um assunto que de acordo com sua proliferação e impacto na curiosidade da humanidade, irá gerar muita recompensa em forma de ganhos em visualizações nos videos do youtube, artigos postados em sites sensacionalistas, reportagens com produções de deixar Spielberg e Jorge Lucas de queixo caído e não termina por aí, há também aqueles que faturam alto como aconteceu no grande mico da Profecia Maia em 2012, que rendeu filmes, documentários e até mesmo oportunistas vendendo supostos Bunkers para milionários. Neste ultimo o mais interessante é que na verdade eram instalações de antigos mísseis intercontinentais, conhecidos também como silos nucleares, abandonados depois do fim da guerra fria. Muita gente desembolsou milhões de dólares para ter o seu, bom, quem sabe um dia não venham a utilizar.

Paul Chodas
Paul Chodas

De acordo com a NASA, “Não há base científica – e não um traço de evidência – que um asteroide ou qualquer outro objeto celeste terá impacto sobre a Terra naquelas datas,” Paul Chodas, gerente de escritório Objetos Próximos da Terra da Nasa no Laboratório de Propulsão a Jato em Pasadena, Califórnia, disse em um comunicado. “Se houvesse qualquer objeto grande o suficiente para fazer esse tipo de destruição em setembro, que teria visto alguma coisa ha muito tempo.”

Os astrônomos baseados no Near-Earth Object office e outras instituições ao redor do mundo usam uma variedade de telescópios para caçar asteroides potencialmente perigosos e cometas, e eles não observaram qualquer coisa que constitui uma séria ameaça para a Terra no futuro próximo,disseram os oficiais da NASA.

“Mais uma vez, não há nenhuma evidência existente que um asteroide ou qualquer outro objeto celeste está em uma trajetória que terá impacto sobre a Terra”, Chodas estressado. “Na verdade, nem um único dos objetos conhecidos tem alguma chance de bater credível nosso planeta durante o próximo século.”

Especialistas como Chodas devem percorrer cada vez mais em águas turvas da Internet para desmascarar os mitos que rodam lá.

Em 2011, por exemplo, cresceram os rumores que o cometa Elenin inofensivo era um objeto do “fim do mundo” que iria infligir danos severos sobre a Terra. E alguns teóricos da conspiração alegavam que um impacto cósmico iria acabar com a humanidade em 21 de dezembro de 2012, o dia em que um ciclo do calendário de longa contagem maia chegou ao fim.

calendario-maia

Motivos para ficar descansado? Mais ou menos, vamos encarar os fatos :

  • A NASA construiu uma péssima fama no decorrer de sua história com relação a assuntos delicados que possam de alguma forma gerar um tumulto mundial, o que a levou a acobertar vários casos envolvendo acontecimentos os quais ela não possui ou não quis revelar as explicações. Não podemos esquecer os eventos envolvendo as missões Apollo onde já foi provado que muitas das fotos tiradas durante as missões foram adulteradas para que o mundo não soubesse o que havia na Lua.
  • Olhando pelo lado dos Teóricos da Conspiração, todos sabem que alguns até podem ter razão, porém a grande maioria não passa de lunáticos dotados de uma imaginação fértil, o que neste caso torna-se uma nitroglicerina. Para piorar, antigamente eles ficavam restritos aos seus círculos de seguidores e aqueles que aceitavam receber suas publicações autônomas, porém hoje com a internet eles ganharam o mundo e ninguém é capaz de segura-los, pois mesmo tendo suas teorias indo por água abaixo todos os dias, eles imediatamente acham outro assunto de acordo com o impacto que terá na sociedade e assim prosseguem dias, meses, anos até serem desmascarados, criar uma nova teoria e começar todo o ciclo novamente.

Portanto, o que nos resta mais uma vez é ficar com um olho no peixe e outro no gato, pois de qualquer forma não tem para onde correr, sendo assim só restam duas alternativas :

 

  1. Mais uma vez, nada vai acontecer e tudo seguirá como sempre.
  2. Os teóricos e profetas finalmente vão acertar uma que poderá ser ultima.

Então, vamos aguardar, pois é só o que nos resta.

Planeta X – Documentos da NASA comprovam que eles sabem que está vindo!

in Documentos/Missões/NASA/New Horizons/News/Nibirus/Planeta X by

Documentos da Nasa comprovam que são reais as missões de busca de um objeto com 500 Orbitas/ano.

Documentos revelam que algo tinha perturbado as órbitas dos planetas exteriores próximos a 200 anos atrás.

O misterioso Planeta X pode realmente existir e pode realmente estar se escondendo em nosso sistema solar.

maxresdefault

Para entender melhor o Planeta X mencionado nos arquivos da NASA, não é o “Planeta Nibiru “ ou “Nave espacial Nibiru” de Sitchin que vem mais próximo da Terra em sua órbita regular de 3.600 anos.

Após a descoberta do planeta Netuno, em 1846, houve especulação considerável de que um outro planeta pode existir para além de sua órbita. A pesquisa começou em meados do século 19 e culminou no início da 20ª com a busca de Percival Lowell do Planeta X.

planet X nibiru nasa

Lowell propôs a hipótese do Planeta X para explicar aparentes discrepâncias nas órbitas dos planetas gigantes, particularmente Urano e Netuno, especulando que a gravidade de um grande invisível nono planeta poderia ter perturbado Urano suficiente para dar conta das irregularidades.

Clyde Tombaugh, o homem que descobriu Plutão em 1930 apareceu para validar a hipótese de Lowell.

Em 1978, Plutão foi conclusivamente determinado a ser pequeno demais para a sua gravidade para afetar os planetas gigantes, resultando em uma breve pesquisa para um décimo planeta.

Este planeta X maior que a Terra se escondem nas profundezas escuras do espaço muito além de Plutão, apenas esperando para ser descoberto análise das órbitas dos “extremos objetos trans-Neptunianos” (ETNOs) sugere.

Raul-Carlos_de_la_Fuente_Marcos-Web
Carlos de la Fuente Marcos

Consideramos que a explicação mais provável é que este planeta e, eventualmente, outros ‘planetas’ desconhecidos existir além de Netuno e Plutão “, o autor Carlos de la Fuente Marcos, da Complutense University of Madrid, disse em um comunicado.

E ele não é o primeiro a dar crédito para a possível existência de um chamado Planeta X.

Em março de 2014, Chadwick Trujillo e Scott Sheppard anunciaram a descoberta de 2012 VP113 e Sedna. Dois habitantes conhecidos da “”inner Oort Cloud”, a região inexplorada do espaço além do Cinturão de Kuiper (onde reside Plutão).

Trujillo e Sheppard sugeriu que as órbitas de 2012 VP113 e Sedna são consistentes com a presença contínua de um grande “perturber” – talvez um planeta 10 vezes mais massivo que a Terra, que se situa a 250 UA do Sol.

Se ainda há dúvidas acerca da existência do Planeta X, os documentos da Nasa reais publicados em Outubro de 1988, na verdade, confirmam que eles já sabem sobre o existente do Planeta X por um longo tempo, bem como as consequências para o planeta Terra durante a sua passagem.

A aproximação do Planeta X de novo em nosso sistema solar neste momento iniciaria o envio de uma grande quantidade de partículas de energia plasmáticas eletricamente carregadas em ondas para todos os planetas do nosso sistema solar e estas ondas também irão afetar os fluxos de núcleo da Terra, provocando grandes mudanças de tempo de acordo com o o paranormalstories.

Desde 1996, vemos um aumento contínuo na atividade sísmica e erupções vulcânicas e os padrões climáticos incomuns e, desde 1979/1980 aumentar drasticamente em desastres naturais.

time line earthquakes

time line volcanic activities

time line natural disasters

 

Seria apenas mais uma teoria da conspiração citar o fato da Missão da NASA, New Horizons, que esta semana foi noticia com a chegada a Plutão, ter iniciado no inicio dos anos 1990, 2 anos após o vazamentos dos supostos documentos que atestam a existência do Planeta X e justamente logo após medições feitas pela sonda Voyager 2 descobrir que as irregularidades observadas na órbita de Urano foram devido a uma ligeira superestimação da massa de Netuno?

Não podemos esquecer que após a passagem da New Horizons por Plutão, ela segue viagem em direção ao misterioso Cinturão de Kuiper ou Terceira Zona ….seria o Planeta X o seu destino final?

De qualquer forma, acredita-se que este planeta X está a caminho e eles sabem disso.

Veja aqui os documentos nos arquivos oficiais da NASA => http://adsabs.harvard.edu/abs/1988AJ…..96.1476H

“Confirmado” – NASA acompanha em segredo objeto imenso se aproximando da Terra, seria o Planeta X?

in (JPL) Jet Propulsion Laboratory/Documentos Revelados/Documentos Secretos/Missões/Misterios/NASA/News/Nibirus/Satellite-IRAS/South Pole Telescope/STEREO/USAF by

Isto mesmo, A NASA está acompanhando de perto EM SEGREDO um imenso objeto celeste que se aproxima do nosso sistema solar em uma órbita excêntrica, via polo sul. (o Abzu, o abismo cósmico).

Analisando noticias que foram publicadas desde o inicio de 2015, já foi confirmada a presença de um suposto planeta desconhecido perto de Jupiter. Estaria a NASA preparando o povo terráqueo sobre uma possível chegada do tão temido e falado Nibirus? Este assunto já domina as conversas e discussões nos sites que levam este assunto a sério.

Este objeto em questão chamou tanta a atenção da NASA que a levou instalar o South Pole Telescope, no Polo Sul, na Base americana de Amundsen Scott.

Image279
South Pole Telescope, no Polo Sul, na Base americana de Amundsen Scott.

Tudo começou a 32 anos atrás quando um telescópio a bordo do satélite astronômico infravermelho (Infrared Astronomical Satellite-IRAS) dos EUA. Na ocasião, os astrônomos viram que um objeto gigantesco se aproximava de nosso sistema solar, comparável ao tamanho de Júpiter, que estava tão perto que poderia fazer parte de nosso sistema solar.

IRAS
Satélite astronômico infravermelho (Infrared Astronomical Satellite-IRAS) dos EUA, responsável pela descoberta do objeto em 1983

Após esta descoberta, deu-se inicio a construção de um Telescópio especialmente preparado para ser capaz de rastrear o novo objeto que poderia ser até mesmo um planeta, uma estrela Anã Marron que estivesse entrando em nosso sistema solar através Hemisfério Sul celeste, perpendicular à eclíptica (eixo leste-oeste das órbitas planetárias) celeste. Por este motivo é que o novo Telescópio foi instalado na Antártica.

O responsável por toda esta revelação, é um ex-oficial da inteligência do governo dos EUA chamado John Maynard

John Maynard - Defense Intelligence Agency / Disclosure Proj. Testimony Archive
John Maynard – Defense Intelligence Agency / Disclosure Proj. Testimony Archive

que hoje é reconhecido pelo seu envolvimento no Projeto Disclosure juntamente com o Dr. Steven Greer, projeto este focado na revelação da existência de vida extraterrestre e contatos com civilizações de outros sistemas solares.

De acordo com a sua explicação de como o governo dos USA foi o primeiro a dar inicio ao acompanhamento do Planeta X desde 1983, quando ele teria sido descoberto e sua existência agora corroborada com a instalação do Telescópio do Pólo Sul, chamado de (South Pole Telescope SPT), na fria e congelante Antártida.

Segundo suas afirmações, algo muito grande teria sido fotografado pelo satélite da NASA, de sensoriamento infravermelho, o IRAS em 1983, quer dizer, este fato já é de conhecimento dos cientistas e do governo dos EUA há exatos 32 anos e que sua falha mecânica foi utilizada como forma de esconder as informações do público.

Notícia publicada no jornal The Washington Post em 30 de dezembro de 1983 sobre a descoberta do corpo celeste estranho:

14249heavenlybodies

 

Tradução da Noticia :

“Um corpo celeste possivelmente tão grande como o gigantesco planeta Júpiter e, possivelmente, tão perto da Terra que seria parte deste sistema solar foi encontrado na direção da Constelação de Órion por um telescópio em órbita a bordo do satélite astronômico infravermelho dos EUA (Infrared Astronomical Satellite-IRAS). Tão misterioso é o objeto que os astrônomos não sabem se ele é um planeta, um cometa gigante, uma “proto-estrela” próxima que nunca ficou quente o suficiente para se tornar uma estrela, uma galáxia distante tão jovem que ainda está em processo de formação de suas primeiras estrelas ou uma galáxia tão envolta em poeira que nenhuma das suas estrelas ainda é visível.
“Tudo o que posso dizer é que não sabemos o que é”, disse em uma entrevista, o Dr. Gerry Neugebauer, o cientista chefe do IRAS para o JPL-Laboratório de Propulsão a Jato da Califórnia e diretor do Observatório Monte Palomar, do Instituto de Tecnologia da Califórnia, a explicação mais fascinante deste misterioso corpo, que é tão frio que não lança luz e nunca foi visto por telescópios ópticos na Terra ou no espaço, é que ele é um planeta gigante gasoso tão grande como Júpiter e tão perto da Terra em 50 trilhões de quilômetros. Embora isso possa parecer uma grande distância em termos terrestres, é uma curta distância em termos cosmológicos, tão perto, de fato, que seria o corpo celeste mais próximo da Terra além do mais externo planeta Plutão. “Se ele esta realmente tão perto, seria uma parte do nosso sistema solar”, disse o Dr. James Houck do Centro de Rádio Física da Universidade Cornell.”

O grande desafio era o fato do objeto estar se aproximando da Terra pelo Hemisfério Sul, pois a maioria dos observatórios estão localizados ao norte da linha do equador, no hemisfério Norte do Planeta, e foi por este motivo é foi tomada a decisão de alocar todo o tempo ainda restante da vida útil do satélite IRAS para a observação da aproximação desse objeto.

MINOLTA DIGITAL CAMERA
Módulos foram transportados em várias missões por aviões Hércules C-130

Sendo assim, grande somas de dinheiro foram gastas, verbas aprovadas secretamente pelo congresso americano, para que fosse possível a instalação de um imenso telescópio no Pólo Sul, chamado SPT-South Pole Telescope.

Toda a operação de montagem, que foi feita em módulos pré-montados nos EUA e depois transportados em várias missões por aviões Hécules C-130 em rotas que passavam pela Austrália. Ao fim da montagem, o complexo ficou do tamanho de um condomínio de porte médio.

Image281

Complexo montado na Base americana de Amundsen Scott

Cientistas do Laboratório do NASA’s Jet Propulsion Laboratory deram respostas abrangentes relativos a uma recente proposta pelos astrofísicos John Matese e Daniel Whitmire sobre a existência de um grande planeta na parte exterior do sistema solar.

A declaração do JPL segue relatórios recentes sobre as propostas feitas por Matese e Whitmore que foram publicados na edição da revista científica Icarus Novembro de 2010. Eles propuseram a existência de uma companheira binária para o nosso sol, maior do que Júpiter, no longo hipótese nuvem de Oort – um repositório distante de pequenos corpos gelados na borda de nosso sistema solar. Os pesquisadores usaram o nome “Tyche” para o planeta hipotético.

A declaração NASA explica que o papel Matese/Whitmore argumenta que a evidência para o planeta teria sido gravada pelo Wide-field Infrared Survey Explorer (WISE) .

WISE é uma missão da NASA, lançada em dezembro de 2009, que varreu todo o céu celestial em quatro comprimentos de onda infravermelhos cerca de 1,5 vezes. Ele capturou mais de 2,7 milhões de imagens de objetos no espaço, variando de galáxias distantes para asteroides e cometas relativamente próximos à Terra. Recentemente, o WISE completou uma missão estendida, permitindo-lhe terminar uma varredura completa do cinturão de asteroides, e duas varreduras completas do universo mais distante, em duas faixas de infravermelho. Até agora, as descobertas da missão de objetos previamente desconhecidos incluem uma estrela ultra-fria ou anã marrom, 20 cometas, 134 objetos próximos da Terra (NEOs), e mais de 33 mil asteroides no cinturão principal entre Marte e Júpiter.

Wide-field Infrared Survey Explorer

É fato comprovado de que a NASA sabe da existência do misterioso corpo celeste possivelmente tão grande quanto

o planeta gigante Júpiter e, possivelmente, tão perto da Terra que seria parte deste sistema solar foi encontrado na direção da constelação de Orion por um telescópio em órbita a bordo do satélite astronômico infravermelho EUA.

Dr. Gerry Neugebauer
Dr. Gerry Neugebauer

Tão misterioso é o objeto que os astrônomos não sabem se é um planeta, um cometa gigante, uma “proto-estrela” próxima que nunca ficou quente o suficiente para se tornar uma estrela, uma galáxia distante tão jovem que ainda está em processo de formação de sua primeiras estrelas ou uma galáxia tão envolta em poeira que nenhuma da luz lançada por suas estrelas nunca fica completamente. “Tudo o que posso dizer é que nós não sabemos o que é,” Dr. Gerry Neugebauer, cientista chefe IRAS para Jet Propulsion Laboratory da Califórnia e diretor do Observatório Palomar do Instituto de Tecnologia da Califórnia, disse em uma entrevista.

A explicação mais fascinante deste corpo mistério, que é tão frio que não lança luz e nunca foi visto por telescópios ópticos na Terra ou no espaço, é que ele é um planeta gasoso gigante, tão grande como Júpiter e tão perto da Terra como 50000000000 milhas. Embora isso possa parecer uma grande distância em termos terrestres, é um tiro de pedra em termos cosmológicos, tão perto, de fato, que seria o corpo celeste mais próximo da Terra para além do planeta mais distante Plutão. “Se ele é realmente tão perto, seria uma parte de nosso sistema solar,” disse o Dr. James Houck do Centro da Universidade de Cornell para a Rádio Física e Pesquisas Espaciais e um membro da equipe de ciência IRAS. “Se é tão perto, eu não sei como os cientistas planetários do mundo sequer começar a classificá-lo.”

O corpo mistério foi visto duas vezes pelo satélite infravermelho como ele examinou o céu do norte, de janeiro a novembro último, quando o satélite correu para fora do hélio supercold que permitiu o seu telescópio para ver os corpos mais frios nos céus. A segunda observação ocorreu seis meses após a primeira e sugeriu o corpo mistério não se moveu de seu lugar no céu perto da borda ocidental da constelação de Orion, em que tempo. “Isto sugere que não é um cometa porque um cometa não seria tão grande como o que tenho observado e um cometa provavelmente mudaram”, disse Houck. “Um planeta pode ter mudado se fosse tão próximo quanto 50000000000 milhas, mas ele ainda pode ser um planeta mais distante e não se deslocaram em seis meses.

Seja o que for, Houck disse, o corpo mistério é tão frio a temperatura não é mais de 40 graus acima do “absoluto” zero, que é 459 graus Fahrenheit abaixo de zero. O telescópio a bordo IRAS é resfriado tão abaixo e é tão sensível que pode “ver” objetos nos céus, que são apenas 20 graus acima do zero absoluto. Quando IRAS cientistas viram pela primeira vez o corpo mistério, calcularam que poderia ser tão próximo quanto 50000000000 milhas.

14249tyche3

Para aumentar ainda mais o mistério, a NASA misteriosamente colocou o a Missão WISE em Hibernação até segunda ordem. Será? ou estão mais uma vez escondendo informações do público?

Cientistas podem ter encontrado Planeta X, vulgo “Nibirus”

in Descobertas/News/Nibirus/Videos by

Cientistas podem ter encontrado Planeta X – o objeto mais comentado desde o Fim do Mundo anunciado pelos Mais e responsável pelos atuais cataclistas que assolam nosso planeta, asteroides e cometas que tem cruzado muito perto deixando cientistas apavorados, religiões pregando a volta de seus messias, etc… pois então, há rumores que se acredita ser maior que a Terra e mais longe do Sol do que Plutão.

gallery_image_6538

O Planeta X e outro objeto chamado de “Planeta Y”, estão entre os 13 ” objetos extremos trans-netunianos” (ETNOs) que orbitam o Sol a grandes distâncias, de acordo com um relatório no espaço, citado em uma nova pesquisa.

Acredita-se que seguem percursos elípticos médios de cerca de 200 unidades astronômicas (UA) a partir do sol. A Terra é um AU, ou 93.000 mil milhas, a partir do sol.

“Esse excesso de objetos com parâmetros orbitais inesperados nos faz acreditar que algumas forças invisíveis estão alterando a distribuição dos elementos orbitais do ETNOs, e consideramos que a explicação mais provável é que sejam outros planetas desconhecidos existem além de Netuno e Plutão”, o autor Carlos de la Fuente Marcos, da Universidade Complutense de Madrid, disse em um comunicado.

“O número exato é incerto, uma vez que os dados que temos é limitado, mas os nossos cálculos sugerem que existem pelo menos dois planetas, e provavelmente mais, dentro dos limites do nosso sistema solar”, acrescentou.

Eles estão longe o suficiente para ser quase impossível de detectar, com instrumentos atuais, de acordo com o espaço.

O Planeta X foi previamente uma hipótese em um artigo de uma pesquisa de 2014.

Chamado 2012 VP113, os pesquisadores Chadwick Trujillo e Scott Sheppard afirmaram que o objeto nunca chegou mais perto do Sol do que 80 AU.

A ETNO recém-descoberta se junta a Sedna, um planeta anão que se acredita ser de cerca de 250 UA do Sol, como objetos que residam fora do Cinturão de Kuiper, onde reside Plutão.

Plutão foi apenas recentemente reclassificado como planeta, embora um planeta anão, depois de perder a distinção em 2006.

Esfera maciça registrada pela NASA: Seria finalmente Hercólubus, Nibiru?

in Nibirus by
Esfera Gigante registrada pelo Telescópio STEREO da NASA
Seria  NIBIRU?
Muito interessante a imagem de um objeto registrada pelo Telescópio STEREO da NASA que parece confirmar a previsão de um Cometa/Planeta Gigante feita por Carlos Muñoz Ferrada, também chamado de Hercólubus, entrando em nosso sistema solar e que passando pela Terra.
Carlos Muñoz Ferrada nasceu no Chile em 1909. Em 1939 fez previsões geofísicas e astronômicos que abalariam o mundo, com muitas das suas previsões sobre terremotos e até mesmo do tsunami tornando-se realidade de forma espetacular.
Ele também previu famosa uma mudança na trajetória do Cometa Halley na década de 1960 , antes que alguém soubesse que iria chegar mais perto do sol.

Em 2001, então com 90, Ferrada previu três fatos impactantes , como um futuro ” cometa/planeta ” chamado Hercólubus que se aproxima da Terra e nosso sol.

Ele explicou que ele descreveu Hercólubus  como um cometa híbrido/planeta, porque tem uma órbita elíptica , com a cauda de um cometa , e a uma grande massa de planeta.

” O grande campo gravitacional que traz esta nova estrela vai causar uma grande mudança … A humanidade não está pronta … “

“O sol ( Hercólubus ) vão subir no interior da órbita da Terra com uma velocidade de satélite de 66 quilômetros por segundo e ao mesmo tempo seu periélio estará apenas 139,1 milhões quilômetros do Sol”.

“É também no âmbito das probabilidades , determinando que essa massa cósmica gigantesca nova e atraente pode endireitar o eixo da Terra, com grande gravidade e distúrbios geofísicos , e isso pode afetar o campo atração da nossa Lua satélite. “

“Os dois pólos serão removidos ao mesmo tempo , como nos dias dos equinócios de primavera e outono.”


No livro “Hercólubus ou Planeta Vermelho”, V.M. Rabolú descreve um planeta gigante está se aproximando do nosso sistema solar, com destaque para a catástrofe que será causado pela influência gradual do enorme corpo celeste.

Sr. Rabolú estabelece o prognóstico provável para a humanidade, destacando um aumento progressivo em desastres naturais, como terremotos, furacões e devastação costeira.

O fato de que este livro foi escrito, em 1998, deve ser levado em conta, uma vez que os eventos mundiais significativas ocorreram desde então confirmando algumas de suas declarações. Há muita especulação de que este planeta ‘vermelho’ está atualmente sob vigilância por muitos astrônomos.

NIBIRU FAZ PARTE DO NOVO FILME “STAR TREK INTO DE DARKNESS”

in News/Nibirus by
O novo “Star Trek” lançado na ultima quinta-feira (16 de maio), os entusiastas do espaço podem encontrar algo familiar nas cenas do unverso ficcional mostradas logo na abertura, trata-se de um planeta inventado chamado Nibiru. 
Em “Star Trek Into Darkness”, a mais recente edição da popular série de ficção científica, Nibiru é o exuberante planeta vulcânico e foi destaque no trailer do filme, mas antes por sua vez, em Hollywood, o nome Nibiru foi ligado a uma das conspirações fim-de-mundo mais populares do ano passado.
Quando os rumores de que o mundo acabaria em 2012 tornou-se amplamente divulgado no ano passado, um candidato popular entre os teóricos do Juízo Final foi um suposto planeta chamado Nibiru, que alguns alegaram que foi criado para colidir com a Terra catastroficamente.
Ainda nã há nenhuma evidência científica para apoiar a existência de Nibiru, e até mesmo a NASA divulgou um comunicado no ano passado, refutando as alegações, depois que a agência foi acusado de uma conspiração de encobrir a ameaça Nibiru para evitar pânico em massa. 
A teoria do fim do mundo começou em 1976, quando Zecharia Sitchin escreveu um livro chamado “O Décimo Segundo Planeta”, que foi baseado em sua própria tradução da única de escrita cuneiforme suméria, um dos primeiros sistemas de escrita. No livro, Sitchin identificou um planeta Nibiru, que orbita o Sol a cada 3.600 anos. Anos mais tarde, uma auto-intitulado vidente chamada Nancy Lieder anunciou que os aliens tinha avisado a ela que Nibiru iria colidir com a Terra em 2003.
Depois que 2003 chegou e passou sem incidentes, a projeção do Juízo Final Nibiru foi transferido para 2012, para coincidir com o antigo calendário de contagem longa maia.

Agora, parece que Nibiru foi ajustado para fazer sua estréia em Hollywood.
Enquanto os cineastas de “Star Trek” não dizem onde encontraram inspiração para o Planeta Vulcânico Nibiru do filme, eles compartilharam sua alegria na criação de mundos ficcionais para o filme.
“Nada poderia ser mais incrivelmente emocionante e divertido para os cineastas do que criar outros mundos”, o desenhista de produção Scott Chambliss, disse em um comunicado. “Você tem uma rara oportunidade de tornar real o inimaginável.”

Para Nibiru, Chambliss deixar sua imaginação correr solta quando se tratava de projetar o planeta.
“Uma coisa que eu amo sobre ‘Star Trek’ é estar trabalhando com tantos ambientes contrastantes”, disse Chambliss. “Nibiru é a antítese do planeta Klingon e ambos são completamente diferentes da Terra.”

BREAKING – PLANETA X (NIBIRU) PODE TER SIDO REVELADO PELA SONDA SOHO DA NASA

in News/Nibirus/Planeta X by
Na opinião de um pesquisador e cosmólogo chamado Greg, esta foto obtida pelo SOHO (Observatório Solar e Heliosférico), o telescópio espacial, projetado e desenvolvido a partir da colaboração entre a NASA e a ESA, lançado no final de 1995 para estudar vários aspectos do Sol, ao mesmo tempo, a estrutura e dinâmica do vento solar, ele mostra uma massa planetária a uma distância mínima da nossa estrela.
Clique para Ampliar
Clique para Ampliar
Uma evidência Note-se, neste caso, é que o objeto de massa planetária cósmico em questão é 4/5 vezes a massa de Júpiter (o monstro sagrado do nosso sistema solar), bem como a sua impressionante proximidade com o sol.
Clique para Ampliar
A hipótese do Planeta X, que orbita o Sol elíptica (com uma estrela binária provável) neste momento não é apenas uma hipótese, mas faz parte de nossa realidade cotidiana que não é silenciado ou alterado, para fins desconhecidos para nós.
Tecnicamente falando, a massa planetária em questão tem duas singularidades:
  • Distância próxima do Sol
  • Tamanho Considerável
A presença de um corpo planetário, de uma escala tão maciça, praticamente um gigante, varrida do nosso sistema solar (desde o momento da formação do mesmo) e recuperado pela energia gravitacional de uma estrela vizinha, que o jogou a partir de um sistema Solar para outro e que graças à enorme velocidade acumulada no começo da expulsão inicial, e mantido constante por parte do chamado “estilingue gravitacional” possibilitou o sobrevoo de volta da estrela.
Podemos ver a partir de pequenos detalhes, que a massa planetária imortalizado pelo SOHO está muito perto de nossa estrela e a partir disso, podemos deduzir a sua força.
O Sol é, propriamente falando, uma estrela com dimensões de pequeno a médio porte que consiste principalmente de hidrogênio (cerca de 74% de sua massa, 92,1% de seu volume) e hélio (cerca de 24-25% da massa, 7, 8% do volume), que são adicionados outros elementos mais pesados, presentes em vestígios. sabe-se que a fotosfera tem uma temperatura de cerca de 6000 K. Acima estende-se a atmosfera estelar, que atinge, em correspondência com a coroa, uma temperatura de 1 000 000 K.
Assim, podemos descartar certamente uma massa planetária gasosa, que na vizinhança (cósmica) dessas temperaturas, deixaria atrás de si um rastro de seu gás mais leve, com milhões de km de comprimento (altamente visível para telescópios), por exemplo, -51 Pegasi b-(“Belerofonte”) .. que constantemente queima sua atmosfera gasosa por ter sua órbita muito perto de sua estrela (51 Pegasi).
Outro fator a destacar é o aumento de cometas nos últimos dois anos que viajam na direção do Sol, explosões solares encaixando perfeitamente com o (erupção de plasma da superfície do Sol) que, nos últimos meses, a potência máxima (conhecido por nós .. por enquanto, já que ainda estamos estudando o Sol e não sabemos ao certo ainda a sua potência máxima de brilho).
Clique para Ampliar
Apenas a chegada de um corpo planetário tão grande poderia desviar o caminho dos cometas, devido ao seu campo gravitacional, projetando-os em direção ao nosso sistema solar .. e enquanto a explosão solar aumentar a sua energia poder imenso, como se dois ímãs e seus polos negativos estavessem se aproximando (neste caso, causando uma compressão na massa do sol, dando vida a erupções de plasma solar … como quando você aperta uma inofensiva espinha por exemplo, graças à ajuda de nossos dedos ao contrário que comprimem a massa da face) .. e talvez algo realmente grande se aproximando de nós.
  
Fonte GREG (cosmólogo e pesquisador)

CONTAGEM REGRESSIVA PARA A INVERSÃO DOS POLOS – SINAIS INEGÁVEIS DO PLANETA X (NIBIRU) E MUDANÇAS NA TERRA

in News/Nibirus by
E se a vida como você conhece literalmente e virasse completamente de cabeça para baixo? Há sinais de que possam ser usados como uma contagem regressiva para a mudança de pólo? Sim, sem dúvida.
De acordo com os Zetas de ZetaTalk, os três sinais inegáveis ​​de que um evento importante está prestes a acontecer irá incluir, mas não estão limitados a
  1. Simultaneamente, o aumento da atividade vulcânica e terremotos na escala de magnitude 9,0, 
  2. Um pó fino vermelho que transforma as águas da Terra sangue vermelho e 
  3. Uma desaceleração e parada eventual de rotação da Terra.
Ruth Montgomery, um profeta intuitiva e autor de vários livros, incluindo “Strangers Among Us”, escrito em 1979, previu mudanças na Terra neste período de tempo que implica uma mudança no eixo da Terra e a crosta. Ela disse que os sobreviventes do “deslocamento axial” (Pole Shift) serão númerosos, não em bilhões, mas em milhões. Ela também escreveu sobre avisos de mudança como o clima cada vez mais violento, erupção de vulcões antigos, tremores de terra de grandes proporções, e ondas de maré de âmbito monumental.

Montgomery disse que, pouco antes da mudança real, haverá dois tipos específicos de advertências – 
  1. Erupções de vulcões antigos em ilhas do Mediterrâneo, América do Sul e na Califórnia e 
  2. Pouco depois, tremores de terra de grandes proporções monumentais e maremotos afetando as massas de terra no norte da Europa, Asia e América do Sul. Ela disse que os ventos ferozes e devastadoramente altos varrerão mais acima das estruturas de terra e da civilização e diminuirá à medida que as mudanças na Terra eliminar ou tornar inúteis usinas hidrelétricas, loteamentos, edifícios de escritórios, prédios, barragens, refinarias, linhas de comunicação, instalações portuárias e muito mais.
Montgomery também previu UFO e aparições alienígenas vai aumentar, o que está acontecendo atualmente no mundo.
Tanto Montgomery e os Zetas concordam que um dos sinais mais dramáticos da contagem regressiva das últimas semanas “será a abrandar e parar de rotação da Terra. Haverá um ponto no tempo, poucos dias antes de paradas de rotação, quando a “perda de tempo vai ser gritante.” Por exemplo, apesar de o seu relógio ou relógios em sua casa indicam manhã, ainda é escuro lá fora. Na noite do mesmo dia, o Sol que estava relutante em subir é agora reluta em definir, caindo abaixo das horas depois de “pôr do sol no horizonte como programado.” Quando isso ocorre, paralisação de rotação é apenas um dia ou dois de distância.
O fenda no meio do Atlântico, na costa leste dos Estados Unidos ficará de frente para o sol e Planeta X (Nibiru) quando a rotação irá parar porque o Planeta X (Nibiru) vai agarrar e segurar a Fenda do meio do Atlântico. Quando ele fizrer isso, na Europa, Américas, África irão experimentar um “longo dia”, enquanto a Ásia experimentará uma “longa noite”.
O segundo sinal de contagem regressiva é o aparecimento de um pó fino e vermelho da cauda de detritos varridos do Planeta X (Nibiru) que irá transformar as águas de lagos, rios e mares  em vermelho sangue, como mencionado no Livro das Revelações. Os Zetas preveem que  isso vai acontecer um dia antes de paralisação da rotação.
O terceiro sinal inconfundível envolve “sons de gemidos” feitas pela terra durante desaceleração e parada da rotação. Estes sons serão algo semelhante ao que se ouviu durante os terremotos e continuará ininterruptamente durante desaceleração e parada da rotação.
De acordo com os Zetas de ZetaTalk, embora uma data exata para a mudança de pólo não pode ser dada por muitos motivos, o calendário que leva até ela pode. Eles dizem que os sinais de contagem regressiva para o “últimas semanas” será inconfundível:
  • 9 dias de oscilações Graves da Terra
  • 4,5 dias de estaticas leves a esquerda da terra
  • 2.5 dias de progrssão para 3 dias de escuridão (Noite) ou Luz Solar (Dia)
  • 3 dias de escuridão ou dia, dependendo da localização
  • 6 dias com o nascer do sol ocorrendo a Oeste
  • 18 dias de desaceleração da Rotação da Terra
  • 6 dias de paralização da Rotação da Terra
  • Mudança dos polos

Astrônomos encontram planeta ‘errante’ a cem anos-luz da Terra. Seria “NIBIRU”?

in Nibirus by


Astrônomos localizaram o que eles acreditam que seja um planeta “errante” que pode ser o mais próximo do Sistema Solar já encontrado, situado a cerca de cem anos-luz da Terra. Planeta “errante” é aquele que não gira em torno de nenhuma estrela e, portanto, vaga a esmo pelo Universo.
Os planetas errantes não chegam a ser uma novidade para a ciência. Foram descobertos na década de 1990 e sua existência já foi descrita em inúmeros artigos científicos. A peculiaridade do atual estudo é a relativa proximidade do corpo celeste, que facilita o seu estudo.
Philippe Delorme, autor principal do estudo, explicou que é mais fácil estudar um planeta quando ele está isolado, pois as estrelas acabam ofuscando os planetas que a orbitam. Delorme liderou a pesquisa do Observatório Europeu do Sul (ESO, na sigla em inglês), projeto que conta com a participação do Brasil.
Assim, a pesquisa serve como uma maneira de melhorar a compreensão sobre como são formados os exoplanetas – como são chamados os planetas situados fora do Sistema Solar. As características observadas nestes planetas errantes podem estar presentes também em planetas que orbitam estrelas, potenciais candidatos a abrigar vida fora da Terra.
O planeta recém-localizado foi chamado de CFBDSIR2149. O próximo passo é descobrir mais informações sobre a atmosfera do planeta. Eles pretendem ainda, com essas informações, determinar se o planeta se originou de um grupo estelar vizinho, conhecido como AB Doradus, e quando ele se separou desse grupo.
Esta descoberta serviu para colocar fogo nas discussões em grupos que pregam e defendem a Profecia do Fim do Mundo deixada pelos Maias, pois já circulam na internet historias que especulam que finalmente NIBIRU foi visualizado a uma distância relativamente pequena tratando-se de medidas astronômicas.

BBC – Documentário sobre NIBIRU – 18/06/2012

in Documentários/Nibirus/Videos by
Quase todas as culturas antigas retratam este planeta com asas … América do Sul, sumérios, toltecas, astecas, maias, Babilônia, Egito, Irã. Ele possui uma órbita elíptica alongada em uma inclinação 33 graus em torno do Sol a cada 3.657 anos, quando ele retorna ele vai passar entre a Terra eo Sol.

A rede de Televisão BBC exibiu um documentário gravado pela BBC de Londres sobre o tão comentado Planeta X (Nibiru)

Encontrada Segunda Inscrição Maia Esculpida em escadaria de pedra confirma ‘Data Final’ do calendário maia – 21 de dezembro de 2012

in MAIAS/Nibirus/Reportagens by
Os arqueólogos encontraram esculturas em uma escadaria de pedra no local da escavação La Corona, na Guatemala que confirmam a “data fim” do calendário Maya, 21 de dezembro de 2012.
É apenas a segunda inscrição conhecido que confirma esta “data final”.
Seitas da Nova Era em todo o mundo tem interpretado isso como um evento apocalíptico potencial ocasionando uma explosão nas vendas de abrigos explosão aumento em os EUA e os crentes que se refugiam em um vilarejo na França.
Marcello A. Canuto
AS Tabuletas Maias são objetos de teorias conspiratórias selvagens da internet, com as previsões que nosso mundo vai ser engolido por um buraco negro, atingido por um asteróide ou devorados pelos deuses antigos.
A inscrição de 1.300 anos de idade é descrito como um dos hieróglifos mais significativa encontra em décadas.
A maior parte da inscrição esculpida em uma pedra abandonada por saqueadores lida com a história política mas não há uma referência a ‘final’ em uma passagem sobre o retorno de um rei.

“Esta foi uma época de grande turbulência política na região Maya e este rei se sentiu compelido a aludir a um ciclo maior de tempo que vem a terminar em 2012”, diz David Stuart, da Universidade do Texas em Austin, que liderou uma escavação em o local.
Mas muitas Etnias Maias rejeitam as previsões apocalípticas como em grande parte uma idéia ocidental.
Ao invés de o fim do tempo em si as inscrições referem-se ao início de uma nova era.

O ‘apocalipse’ refere-se ao fim de um ciclo de 5,125 anos desde o início do calendário de contagem maia Long em 3113 aC
“A história começou com alegações de que Nibiru, um planeta supostamente descoberto pelos sumérios, esta vindo em direção à Terra, diz Nasa, ‘Estas fábulas foram relacionados para o fim de um dos ciclos do calendário maia antiga no solstício de inverno em 2012 ‘.
Este texto fala sobre a história política antiga, em vez de profecia “, diz Marcello A. Canuto, DCO-diretor das escavações em La Corona.
Uma segunda tabuleta Maia recém-descoberta revela a “data final” para o calendário maia, é apenas o segundo artefato para especificar a data.
Os blocos esculpidos foram encontradas no local da escavação La Corona, na Guatemala

Os hieróglifos foram encontrados em blocos abandonados pelos ladrões no local da escavação La Corona

Desde 2008, Canuto e Tomás Barrientos da Universidad del Valle de Guatemala tem dirigido escavações em La Corona, um site anteriormente devastado por saqueadores.
“No ano passado, percebemos que os saqueadores de uma construção em particular tinha descartado algumas pedras talhadas, porque eles tinha muita erosão para vender no mercado negro de antiguidades”, disse Barrientos, “então nós sabíamos que eles descobriram algo importante, mas também pensaram que poderiam ter perdido alguma coisa. “

A descoberta foi descrita como a mais significativa descoberta hieroglífica em décadas
Marcello A. Canuto, diretor do Middle Tulane da American Research Institute, analisa hieróglifos no local da escavação La Corona, na Guatemala
O que Canuto e Barrientos encontrou foi o texto mais longo já descoberto na Guatemala.
Esculpido em degraus da escada, ele registra os 200 anos de história La Corona, afirma David Stuart, diretor do Centro de Mesoamérica da Universidade do Texas em Austin, que era parte de uma expedição de 1997, que explorou pela primeira vez o lugar.
A maior parte da inscrição esculpida em uma pedra abandonada por saqueadores lida com a história política mas há uma referência a ‘final’ em uma passagem sobre o retorno de um rei.
Enquanto decifrava essas novas descobertas em maio, Stuart reconheceu a referência de 2012 em um bloco de escada tendo 56 hieróglifos delicadamente esculpidas.
Comemorava uma visita real à La Corona em 696 dC pelo governante Maya mais poderoso de que o tempo, Yuknoom Yich’aak K’ahk ‘de Calakmul, apenas alguns meses após sua derrota por longa data Tikal rival no ano 695.
Considerado por estudiosos foram mortos nesta batalha, este governante estava visitando aliados e dissipar seus temores depois de sua derrota.
“Esta foi uma época de grande turbulência política na região Maya e este rei se sentiu compelido a aludir a um ciclo maior de tempo que acontece a terminar em 2012”, diz Stuart.
Então, ao invés de profetizar, a referência 2012 coloca reinado conturbado este rei e realizações em um grande quadro cosmológico.
“Em tempos de crise, os antigos maias usaram seu calendário para promover a continuidade e estabilidade, em vez de prever o apocalipse”, diz Canuto.
Templos da civilização maia na Guatemala: 
Pesquisadores descobriram paredes adornadas com pinturas originais representando um line-up de homens em uniformes pretos e centenas de números rabiscadas, muitos cálculos relacionados com o calendário maia
Esculturas maias de La Corona: A inscrição de 1.300 anos de idade, é descrito como um dos hieróglifos mais significativos encontrado em décadas
TERIAM OS MAIAS PREVISTO O FIM DO MUNDO EM 2012??
Se eles realmente previram só ficaremos sabendo na data de 21/12/2012, o que realmente está acontecendo é que como em todo fato envolvendo o assunto surgem 2 tipos de grupos, os Fanáticos que possuem o poder do convencimento e conseguem convencer milhares de seguidores para propagar suas pregações e os aproveitadores, estes hoje vendem cursos de sobrevivência, cursos estes ministrados por ex-militares onde são ensinados táticas de guerrilha urbana e uso de armamentos, inclusive crianças participam destes cursos que hoje ocorrem nos USA. Este grupo em particular conta com possíveis tempestades solares que irão danificar todos os sistemas de comunicação e energia deixando cidades as escuras. Isto na concepção deles e baseados em guerras deixa o povo desnorteado levando a anarquia.
Um grupo está investindo em idéias de Bilhões de dólares, pois visando a faixa de poder aquisitivo mais alta da sociedade onde estão vendendo apartamentos que supostamente serão construídos em antigos silos nucleares que eram utilizados pelos USA na época da guerra fria que já foram adquiridos por estes grupos.
A faixa de preço vária entre 900 mil a 1 Milhão de Dólares.
Uma outra empresa investiu ao copiar e vender lugares em Arcas gigantescas que segundo eles são capazes de resistir as mais terríveis condições atmosféricas incluindo permanecer submersa. Segundo esta empresa, já foram construídas 2 Arcas onde já estariam com todos os lugares vendidos. 
Hollywood já faturou bilhões sobre este e todos os outros assuntos que envolveram o assunto “Fim do Mundo”. 
Com certeza depois do dia 21/12/2012 passar e nada acontecer, irão surgir novas teorias prorrogando mais uma vez a data do final dos tempos e com isso mais grupos que irão ganhar muito dinheiro irão surgir e se juntar aos já existentes que com certeza irão continuar a vender suas idéias assim como os que vendem os serviços de congelamento de corpos visando uma ressuscitação e cura das doenças em um futuro incerto.

Por enquanto a unica coisa certa é que O MUNDO ACABA para quem morre.

Planeta X (NIBIRU) – Assunto pega fogo graças a Astrônomo Brasileiro

in Nibirus/Reportagens by
A origem do mito de Nibiru remonta ao período em que surgiram os sumérios, um dos mais antigos povos da Mesopotâmia, há cerca de 5 mil anos. A cultura suméria tornou-se uma das mais avançadas da Antiguidade. Inventores da primeira linguagem escrita que se tem notícia – a cuneiforme -, eles deixaram diversos registros históricos em tábuas de argila, que permaneceram indecifráveis em museus europeus por séculos. Mais tarde, descobriu-se que um dos campos de estudo da antiga civilização havia sido a astronomia. E, aparentemente, eles tinham noções muito interessantes do universo. Datando de cerca de 3500 a.C., os escritos e representações sumérias já organizavam o Sistema Solar de forma muito similar à que conhecemos hoje, composto por 12 planetas (consideravam a Lua entre eles) que orbitavam em torno do Sol (também visto como um planeta). Porém, além dos dois corpos celestes já citados, de Plutão, que recentemente foi rebaixado a planeta anão, e de outros oito conhecidos nossos (Mercúrio, Vênus, Terra, Marte, Júpiter, Saturno, Urano e Netuno), faltaria mais um planeta na lista dos sumérios. Mas que planeta é esse?

="font-family: arial,="" font-size:="" helvetica,="" large;"="" sans-serif;="">Civilização de ETs gigantes

Interessado na teoria suméria, o historiador Zecharia Sitchin (1920-2010) orientou suas pesquisas para tentar descobrir que planeta seria esse que completava o mapa do Sistema Solar do povo antigo. Com seus estudos, concluiu que se tratava de Nibiru, mencionado na mitologia suméria como lar de gigantes celestiais chamados Annunaki (ou Nefilim, seu correspondente bíblico). De acordo com a interpretação que fez de textos históricos, Sitchin aponta que os sumérios acreditavam que a civilização (valores sociais, culturais, etc) lhes fora ensinada por esses seres, que teriam chegado à Terra há cerca de 450 mil anos, estabelecendo-se no vale dos rios Tigre e Eufrates. Ali teriam fundado uma colônia para exploração de minérios, especialmente ouro. Além disso, teriam criado o Homo sapiens por meio de engenharia genética a fim de terem escravos que os auxiliassem na expedição. 
De acordo com as pesquisas de Sitchin, Nibiru e suas luas descreveriam uma órbita lenta e elíptica em torno de uma estrela não muito distante e passariam pelo interior do Sistema Solar a cada 3,6 mil anos, sendo uma espécie de intermediário entre essas duas regiões do universo. O cinturão de asteroides, os cometas, as crateras na superfície da Lua e até mesmo a própria Terra seriam resultado da colisão de Nibiru e Tiamat, outro planeta mítico citado por Sitchin, que ficaria entre Marte e Júpiter. Além de causar desequilíbrios cósmicos, a passagem de Nibiru pelo Sistema Solar ainda se faria sentir por meio de catástrofes naturais, a exemplo do dilúvio de Noé e do desaparecimento de Atlântida, e pela inversão dos polos magnéticos do planeta, causando imensa destruição. 

 A Nasa entra no jogo

Em 1906, os astrônomos William Pickering e Percival Lowell observaram ligeiras discrepâncias na órbita de Urano e Netuno e atribuíram essas perturbações ao campo gravitacional de um suposto planeta, que ficou conhecido como Planeta X. Mais tarde, após Sitchin já ter apresentado suas ideias, seus seguidores passaram a relacionar a interpretação do mito sumério com as descobertas da ciência. Em 1982, quando a Nasa reconheceu ser possível a existência de um planeta além da órbita de Netuno, e no ano seguinte, quando lançou o Infrared Astronomical Satellite (IRAS), os discípulos de Sitchin logo suspeitaram da ligação entre os dois eventos, acreditando que a agência espacial estivesse secretamente investigando Nibiru. No mesmo ano, a hipótese tornou-se mais sólida com a publicação de uma entrevista com o cientista-chefe do IRAS, Gerry Neugebauer, no jornal The Washington Post. A matéria afirma que um corpo celeste do tamanho de Júpiter e próximo o suficiente da Terra para ser parte do Sistema Solar fora encontrado na direção da constelação de Órion por um telescópio a bordo do satélite. Nos vídeos disponíveis na internet sobre o assunto, esse achado é tido como uma das provas mais concretas de que Nibiru é reconhecido por órgãos científicos como mais do que uma lenda.

Planeta X não seria o único 

A criação do South Pole Telescope, já em 2009, levantou mais suspeitas dos defensores das teorias acerca do misterioso planeta. Segundo os cálculos que indicam a trajetória orbital, Nibiru só poderia ser observado na época a partir de um local bem ao sul da Terra. Mas de acordo com o professor Renato Las Casas, coordenador do Grupo de Astronomia da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), “cada instrumento é desenvolvido com uma determinada finalidade”. “Dentro do espectro de luz, a faixa da luz visível seria a mais adequada para detectar um planeta com a descrição de Nibiru, não do infravermelho ou das micro-ondas (correspondentes às faixas de operação do IRAS e ao South Pole Telescope, respectivamente)”. Las Casas lembra ainda que há décadas admite-se a possível existência de dezenas, até centenas de planetas para além do nosso Sistema Solar. “Há, inclusive, teorias que apontam para regiões cheias desses corpos, como o Cinturão de Kuiper, mas estima-se que eles não sejam muito maiores do que Plutão”, explica.

A Nasa “sai” do jogo

O lançamento da sonda Voyager, em 1977, posteriormente permitiu um cálculo mais preciso da massa de Netuno, e descobriu-se que as perturbações em sua órbita eram, na verdade, ilusórias. Nenhuma força gravitacional imprevista, ainda mais exercida por um planeta das dimensões que esse teria, foi detectada. Além disso, seria muito pouco provável que Nibiru tivesse força significativa sobre a dinâmica dos polos magnéticos da Terra. “A inclinação magnética da Terra varia de ponto a ponto: o polo sul magnético e o polo sul geográfico, por exemplo, não coincidem. Porém, esses fenômenos estão ligados a processos internos ao planeta, e não a corpos externos”, explica o professor Renato Las Casas. Quanto à origem do Cinturão de Asteroides, Las Casas esclarece que não existem teorias conclusivas, mas que, somando-se a massa de todos os asteroides da região, provavelmente não se chegaria à de um planeta, derrubando a hipótese de eles seriam “estilhaços” de uma colisão, como afirma Sitchin. Para o astrônomo Gerry Neugebauer, trata-se mais de uma jovem galáxia do que de um novo planeta. E o mais importante: não haveria corpo celeste em rota de colisão com a Terra. Com tantas evidências científicas, a Nasa resolveu publicar uma série de artigos para desmentir os rumores sobre a existência de Nibiru (em inglês). O mito do Planeta X seria apenas um recorte de dados convenientes à teoria de Sitchin, não necessariamente bem apurados em seu lado histórico e científico.

Novos rumos às buscas

Agora, um brasileiro pretende trazer o assunto de volta à luz. Em matéria publicada no jornal britânico Daily Mail, o astrônomo Rodney Gomes afirma ter encontrado evidências da existência do Planeta X. Gomes afirma que as órbitas irregulares de pequenos corpos gelados além de Netuno implicam que um planeta quatro vezes maior que a Terra esteja girando em torno do Sol, nas bordas do Sistema Solar. Astrônomo do Observatório Nacional do Brasil, no Rio de Janeiro, ele mediu as órbitas de 92 objetos do Cinturão de Kuiper e afirmou que seis desses objetos pareciam ser arrastados para fora de curso em comparação com as órbitas esperadas. Ao apresentar a tese a pesquisadores da Sociedade Americana de Astronomia, ele disse que a provável razão para essas órbitas irregulares ocorrerem é a existência de um corpo celeste gigante e poderoso o bastante para mover os objetos do Cinturão. Ele sugere que o planeta esteja 1,5 mil vezes mais distante do Sol do que a Terra. Mesmo em cima do muro, outros astrônomos aplaudiram os métodos utilizados pelo brasileiro. Rory Barnes, da Universidade de Washington, disse à National Geographic que Gomes “traçou um caminho para determinar como um planeta seria capaz de ‘esculpir’ partes do nosso Sistema Solar”. “Por enquanto, a evidência ainda não existe. Acho que o principal ponto que ele demonstrou é que há maneiras de encontrar essas evidências. Mas não acho que haja provas de que o planeta realmente esteja lá”, afirmou Barnes. “Conheço Rodney e tenho certeza de que ele fez os cálculos corretos”, declarou Hal Levison, do Instituto de Pesquisa do Sudoeste em Boulder, Colorado.

NEW!!!! Telescópio WISE CONFIRMA Planeta NIBIRU perto de Netuno

in Nibirus/Videos by
WISE é um telescópio que enxerga o universo em infravermelho. Seu nome é uma sigla para Wide-field Infrared Survey Explorer – pesquisa exploratória em infravermelho com visão de campo largo, em tradução livre.
Lançado em dezembro de 2009, ele escaneou uma vez e meia o céu inteiro em quatro comprimentos de onda do infravermelho, capturando mais de 2,7 milhões de objetos no espaço, de galáxias distantes até asteroides e cometas relativamente próximos à Terra.
Como continuava em boa saúde ao final dessa que era sua missão primária, o WISE completou uma missão estendida, na qual foi feita uma varredura completa do cinturão de asteroides, e duas varreduras completas do universo mais distante, em duas faixas de infravermelho.
Até agora, contam entre as descobertas da missão vários corpos celestes anteriormente desconhecidos, incluindo uma estrela uma anã marrom ultrafria, 20 cometas, 134 objetos próximos da Terra (NEOs), mais de 33.000 asteroides no cinturão principal entre Marte e Júpiter e até um belíssimo pássaro celeste.o uma estrela uma anã marrom ultrafria, 20 cometas, 134 objetos próximos da Terra (NEOs), mais de 33.000 asteroides no cinturão principal entre Marte e Júpiter e até um belíssimo pássaro celeste.
Durante os anos 70 e 80, era comum para a NASA de mencionar a existência de um chamado ‘Planeta X’ e eles foram discutir abertamente as anomalias gravitacionais causados ​​por ele. Era chamado de “Planeta X”, porque foi escondido para seus telescópios (anãs marrons são apenas visíveis no espectro infravermelho), mas matematicamente sabia que era em algum lugar perto. Segundo eles, o Planeta X é a estrela irmã do nosso Sol, mas tem uma órbita elíptica em torno dele. 

No Video abaixo o site 32° of Insanity explana o assunto e mostra todas as evidências.


NIBIRU? Astrofísico Brasileiro afirma ter encontrado algo escondido atras de Netuno que pode ser o Planeta X

in Nibirus/Noticias/Videos by
Esta noticia ocupou os Trends Topics do MSN NOW ontem, onde o astrofísico brasileiro Rodney Gomes afirma que pode ter encontrado o misterioso planeta NIBIRU, Planeta X escondido atras do planeta Netuno. 
Segundo ele é uma massa escura medindo 4x o tamanho da terra e muito provável que seja um dos planetas que possuem órbitas que transcendem sistemas solares. Outros Cientistas dizem que a descoberta de Gomes pode ser um mote de ar quente os cálculos não são suficientes para apoiar sua teoria.

Nibiru pode provocar deslocamentos da crosta da Terra

in Nibirus by
Esta semana recebemos uma matéria interessante sobre o assunto do momento. Esta matéria foi feita por Myhre Kenneth Rolf com uma integração de Velikovsky, Sitchin e ZetaTalk a qual traduzimos e reproduzermos logo a seguir.

Immanuel Velikovsky (1895-1979) nasceu como o mais novo dos três filhos de um judeu de família abastada na cidade russa de Vitebsk. Ele foi criado em uma casa intelectual. Seu pai havia dedicado toda a sua vida para um renascimento do povo judeu em seu país de origem. Sua mãe era uma lingüista. Velikovsky terminou a faculdade com as marcas muito melhores e uma medalha de ouro. Ele então passou alguns anos estudando vários assuntos em diversas universidades ao redor da Europa. Em 1915 ele retornou a Moscou, começou a estudar medicina e concluiu a graduação i 1921. Ele se mudou para Berlim, onde em 1923 se casou com o violinista Elisheva Kramer. Com o apoio financeiro de seu pai iniciou um projecto editorial abrangente, com a finalidade de promover a criação da Universidade Hebraica de Jerusalém e sua biblioteca. Por três anos ele era o editor-chefe de monografias e artigos científicos escritos por judeus. Ele se envolveu Albert Einstein (1879-1955) a tornar-se editor da coleção de volumes de matemática e física. Tornaram-se amigos ao longo da vida intelectual, com alguns altos e baixos. Depois de alguns anos Velikovsky e Elisheva mudou-se para a Palestina, onde estudou com um aluno de Freud. Em seguida, ele praticou como um médico psiquiatra e psicanalista de 15 anos, alguns deles em Jerusalém.

do interesse de Freud no Édipo mítico, faraó Akhenaton e Moisés conjunto de pensamentos Velikovsky em uma pista que resultou em uma idéia obsessiva de que as pragas que aleijou o Egito, imediatamente antes Moisés conduziu o povo judeu do Egito (Êxodo) tiveram de ser manifestações de um cataclismo . Essa idéia levou Velikovsky a longa e difícil profundidade estudos em contemplações e sobre a importância de que os cataclismos tiveram no espaço exterior, na formação geológica da Terra, na evolução das espécies animais e vegetais, e na história cultural da humanidade. Ele viu como disciplinas acadêmicas como a astronomia, geologia, biologia evolucionária, ea história tinha sido completamente suprimida a existência de cataclismos globais. Essas disciplinas tinham sido incorporados ao invés de Charles Lyell hipótese de gradualismo (ou uniformitarismo) a partir da década de 1830. Segundo esta hipótese, os processos geológicos do passado, eo ritmo desses processos, não foram diferentes do que nós hoje podemos observar. Os grandes dramas da Natureza é suposto prosseguir de forma extremamente lenta e gradual. Velikovsky percebeu que sua missão era dar vida a cultura ocidental é um tipo de psicoterapia em que os traumas do passado (os cataclismos global) seria trazida até a superfície da consciência novamente, e academicamente ser plenamente reconhecida. Velikovsky e sua família visitaram Nova York no verão de 1939. Os eventos do mundo e sua própria pesquisa fez ficar ali. Ele conseguiu um emprego na biblioteca da Universidade de Columbia, Nova York, onde para os próximos dez anos tem cada vez mais profunda e histórica estudos científicos. Mesmo antes da publicação do primeiro livro de Velikovsky, Mundos em Colisão (1950), uma polêmica surgiu em que os autores de livros didáticos em astronomia exigiram que a editora Macmillan não deve publicar o livro. Após a primeira impressão, Macmillan cedeu para a pressão, e vendeu os seus direitos de publicação para a editora Doubleday. O livro foi um sucesso de vendas que fez o mundo Velikovsky famosos. Em 1955, um follow-up foi publicado, a Terra em convulsão. Esses dois livros são mais reais do que nunca, e vale seu peso em ouro. Estes dois livros são uma discussão interdisciplinar que a Terra teve vários encontros imediatos com um ou vários planetas ou cometas gigantes. O campo de força magnética do planeta ou um cometa se encontrar, então, causou uma mudança geomagnética, ou seja, os dois pólos magnéticos da Terra muda o núcleo fluido suas posições. Esta mudança geomagnética tem, então, devido ao atrito, provocado o deslocamento da crosta, o que significa que a crosta da Terra como uma casca de laranja slides solta em relação ao núcleo da Terra. Neste artigo vamos usar o deslocamento da crosta terrestre prazo, uma vez que este termo não pode ser mal interpretado (Wiki artigo: hipótese de mudança de Pólo Cataclysmic ). Vamos evitar os termos “mudança axial” e “mudança polar”, uma vez que diversos autores usam estes termos de várias maneiras. Velikovsky acredita que o deslocamento da crosta da Terra está relacionada com uma paragem de alguns dias de rotação diurna da Terra. Velikovsky encontradas descrições históricas sobre a prorrogação do dia ou da noite, em conexão com grandes cataclismos do Egito (“O Kolbrin”), México (“Anais da Cuautitlán” e “Popol Vuh”) e China (“Livro 5 de Mozi”). O prazo para esses eventos foi de cerca de 1500 aC. Velikovsky chegou à conclusão de que um deslocamento da crosta terrestre é a única explicação possível para várias descobertas paleontológicas climatológicas e geológicas e fatos que devem ter sido cataclysmically disparado. Como o Himalaia, os Alpes e os Andes, que antes estavam abaixo dos oceanos, subir e alcançar sua altura atual? Allan e Delair têm em seu livro Cataclisma! (1997) reuniram evidências de que uma montanha de construção dramática muito (“orogênese” ) aconteceu por volta de 9500 aC, em todo o mundo! Isso não significa que as cadeias de montanhas presentes foram criados a partir do zero nessa época, mas que as cadeias de montanhas, em seguida, foi dado um grande elevador 1-4 km e chegou a altura atual. Os Alpes pode ter sido dado um elevador de não menos de 4 km, e eles foram levados para o norte 100-600 km. Velikovsky também foi cético quanto à crença científica de que a Terra teve uma ou várias eras glaciais, no sentido de geleiras continentais expansão para fora das regiões polares em direção à zona equatorial. Que a verdadeira explicação para essa idade do gelo assumido, que os geólogos chamam o Pleistoceno, seja durante um deslocamento da crosta terrestre a placa tectônica da região polar (cobertos com terra e / ou oceano) é todo ou em parte, saiu da região e em uma zona temperada ou tropical? E, ao mesmo tempo uma placa tectônica em um ou zona tropical temperada (cobertos com terra e / ou oceano) é tudo ou parcialmente deslocados para a região polar? Para o prato sendo movido todo ou em parte, na região polar, de repente (mas local) “idade do gelo” é iniciado. Para o prato sendo movido todo ou em parte, em uma zona tropical ou temperado, um degelo súbito começa devido a um clima mais quente súbita. O que teve milhões de bisões e mamutes, construído para suave e invernos relativamente curto, para fazer no nordeste da Sibéria, durante o último período glacial assumido? Nem mamutes nem bisontes teria sobrevivido na Sibéria hoje, com um inverno frio cortante com duração de nove meses com uma temperatura média de -18 ° C, que facilmente pode cair ainda mais até -40 ° C. Depois de alguns dias eles teriam morrido de frio e falta de comida e água. Se eles não poderiam ter sobrevivido, hoje, como eles poderiam ter sobrevivido a um frio glacial e mais severo período longe de 100.000 anos? Mamutes e bisões que não sobreviveram aos meses de Verão, curta de hoje, na Sibéria, uma vez que a 50 cm superior. do permafrost derrete e se transforma em pântano. No estômago de muitos dos profundamente congelado intacto carcaças de mamutes, as plantas foram encontrados pertencem a uma zona de clima moderado. Grandes partes da Europa, da Rússia e da Sibéria provavelmente foram muito férteis estepes e prados onde mamutes e bisões prosperou. A extinção do mamute lanoso foi parte do Pleistoceno extinção global em massa / Holoceno da megafauna [artigo Wiki: extinção do Quaternário evento ], que timewise coincide com o fim do último período glacial assumido, ca. 9,700 BC. Os dois mais populares hipóteses científicas sobre o que causou essa extinção em massa, são: 1) a mudança global do clima para o melhor, e 2) que os caçadores de repente fez um “exagero” de todas as megafauna! Ambas as hipóteses são ridículas. A explicação mais natural de uma extinção em massa global de flora e fauna é um cataclismo global. Foi a placa tectônica da parte nordeste da Sibéria, durante um deslocamento da crosta terrestre passou de uma zona de clima temperado na região polar, enquanto que a placa tectônica da América do nordeste foi movido para fora da região polar para sua posição atual? Em uma caverna em Yorkshire, norte da Inglaterra, ossos de espécies tropicais, como hipopótamos, rinocerontes, hienas e tigres foram encontrados. Ossos de hipopótamos são encontrados por toda a Inglaterra. O que devemos acreditar? Será que essas espécies tropicais migram para as latitudes do norte, porque estas latitudes poderia oferecer um “período tropical” entre dois “períodos glaciais”? Mas se o período tropical foi global, por que estas espécies se mover? Como podemos explicar o fato de que a fauna ea flora tropical anterior prosperou tanto no Ártico e as regiões da Antártida? A Terra regularmente alternar entre as idades de gelo globais e mundiais idades tropical? Louis Agassiz (1807-1873), fundador da teoria da idade do gelo, concluiu que as geleiras anterior tinha sido cobrindo Índia, África equatorial (Madagascar) e equatorial do Brasil. As geleiras expandiram a partir da zona equatorial sul e norte! Este fato está em conflito com toda a lógica convencional, e requer uma solução pouco convencional. Embora Charles Hapgood, professor de história, escreveu um livro em 1958 (revisto em 1970), onde ele defendeu a deslocamentos da crosta terrestre, estes deslocamentos foram de acordo com ele de um caráter não-cataclísmicas.

                                
                                          Louis Agassiz                    Charles Lyell

O grande problema de Velikovsky em seu primeiro livro foi o de identificar o planeta cuja força magnética de campo provocou o cataclismo global ao redor de 1500 aC, incluindo as dez pragas que aleijou o Egito e que foi explorada por Moisés para iniciar o Êxodo. Velikovsky acabou culpando Vênus. Seus argumentos para a identificação de Vênus como o culpado não abrangia mais de vinte páginas em seus mais de 400 páginas do livro. Mais de 90% de todos os acadêmicos a crítica que tem sido levantada contra Velikovsky nos últimos cinqüenta anos tem sido um ataque de sua teoria de Vênus, que era um ponto menor em missão Velikovsky e livros. Sua missão era para demonstrar que um deslocamento da crosta terrestre , provocado por um encontro com um objeto celeste, ocorreu pelo menos uma vez no tempo histórico, e pode acontecer novamente. Velikovsky nunca obteve a aprovação acadêmica que ele achava que merecia.Apesar do grande interesse público em seus livros, esta falta de reconhecimento deu-lhe crises de depressão. Em 1952 ele e sua família mudou-se de Manhattan para Princeton, New Jersey, onde permaneceu pelo resto de sua vida. Velikovsky também foram publicados três livros históricos que apresentou uma versão revista da antiga drasticamente “reinos da cronologias, especialmente do Egito. O primeiro foi na Idade do Caos. Eu n os três últimos anos de sua vida (81-84 anos) veio dos Povos do Mar (1977) e Ramsés II e seu Tempo (1978). Estes livros são fascinantes, e não há dúvida de que a cronologia egípcia necessita de uma revisão drástica. Pessoalmente, eu escolhi para rejeitar a versão revisionista de Velikovsky, sendo a favor da versão de Peter James e sua equipe.
Zecharia Sitchin: na visão suméria de quem nos criou “a sua imagem”. 

Zecharia Sitchin (1920-2010) nasceu na capital Baku, do Azerbaijão. Seus pais emigraram alguns anos depois para a Palestina, onde foi criado. Zecharia destacou como estudante, e queria aprender e línguas modernas da região do antigo conjunto com a sua história e mitos. Ele continuou seus estudos em Londres, onde se graduou em história da economia da Universidade de Londres. Zecharia seguida, retornou à Palestina, e começou a trabalhar como editor e autor de artigos de periódicos acadêmicos em economia e história. 28 anos de idade, mudou-se para New York e tornou-se um cidadão americano em 1948. Ele continuou em sua profissão como jornalista e editor, enquanto ele nos seus tempos livres escreveu grossos volumes de notas sobre os primórdios da civilização.

Zecharia Sitchin (1920-2010) retratado no New York Times, alguns meses antes de morrer. A alargada sumério mostra um homem sendo levado a um líder Anunnaki, a fim de ser dado o arado e conhecimentos agrícolas.

Sitchin desenvolveu um grande interesse em explorar o assunto de que a Bíblia estava se referindo a Gênesis no cap. 6 como “os filhos de Deus” e os Nefilim (“the Giants”). “Quando os homens começaram a multiplicar-se sobre a terra e as filhas nasceram com eles, os filhos de Deus viram que as filhas dos homens eram belas, e eles se casaram de todas as que escolheram. Então o Senhor disse: “Meu Espírito não contenderá sempre com o homem, pois ele é mortal, seus dias serão cento e vinte anos”. The Nephilim estavam na terra naqueles dias – e também depois – quando os filhos de Deus entraram às filhas dos homens e delas geraram filhos. Eles foram os heróis de antigamente, os homens de fama “. A palavra suméria Anunnaki (“Aqueles que do Céu para a Terra vieram”), foi na Bíblia hebraica traduzida para Nephilim, que literalmente pode significar “os caídos” (Wiki artigo: Nephilim ). A palavra Nephilim também pode significar “os Gigantes”, e essa interpretação foi escolhido em alguns, mas não todas, as traduções para Inglês do Velho Testamento. Nos dois primeiros capítulos do Gênesis nos é dado duas versões diferentes da narrativa da criação. Eles variam tanto na seqüência do que é criado, e na forma como a humanidade foi criada. Na primeira narrativa (Gênesis 1-2:3) Deus (Elohim) criou os animais antes que a humanidade (Adão e Eva não são mencionados nesta versão). Esta narrativa foi escrita pela fonte sacerdotal (P) durante o cativeiro babilônico (586-539), e é uma versão editada do mito da criação babilônico Enuma Elish. Na segunda narrativa (Gênesis 2:4-25) Senhor (“Yahweh”) criado (e não a humanidade, mas) apenas duas pessoas: Adão e Eva. Adão foi criado primeiro, depois os animais e as aves e, finalmente, véspera. Esta narrativa foi escrita pelo Jahwist em torno de 950 aC durante o reinado do rei Salomão. Esta narrativa é uma versão editada da mitologia suméria em que os Anunnaki desempenhou o papel de “deuses” para os humanos. As duas versões da narrativa da criação em Gênesis são, portanto separadas por 400 anos, ea caçula versão foi colocada em primeiro lugar. Desde o último trimestre de 1800, muitos tabletes cuneiformes sumérios foram encontrados. Eles mostram que as histórias de Gênesis a partir de segunda narrativa da criação (Gênesis 2:4-25) para a destruição de Sodoma e Gomorra (Gênesis 19), são fortemente editados e Anunnaki sagas distorcida. Original textos sumérios nos dizer, em termos inequívocos , cerca de uma equipe extra-terrestre que veio do planeta Nibiru para ca Terra. 443,000 anos atrás a fim de encontrar ouro. Eles precisavam de força de trabalho barata para trabalhar nas minas de ouro, então de acordo com os tabletes de argila que genes modificados existentes homem-macaco para se tornar seres humanos ca proto. 270,000 anos atrás. Reproduzimos rápido, e nossas mulheres foram muitas vezes exploradas sexualmente, em haréns e como escravos, pelos “criadores”. Híbrido entre o macho Anunnaki e as fêmeas humanas eram, por vezes nascida e sobreviveu à infância. De acordo com Sitchin os últimos deste grupo ET desapareceu da Terra por volta de 550 aC, deixando o planeta e / ou por morte natural. Na Epopéia de Gilgamesh (ca. 2600 aC), a co-existência das pessoas e do Anunnakis é descrita como uma coisa natural. Gilgamesh si mesmo, um rei histórico da cidade suméria de Uruk, teve uma mãe e um pai Anunnaki humana. É apenas acadêmicos besserwisserei (“sabemos mais”) que é responsável pela orientação acadêmica que não devemos interpretar as histórias sumérias sobre o Anunnakis literalmente, mas que ao invés deveria interpretar a Anunnakis como parte dos sumérios ‘mundo imaginário de mitos .
Sumérios ilustração da mulher Anunnaki Ninmah que de acordo com o que os sumérios foram criados Terra disse o homem (Homo: sapiens) 
Anunnakis em seu papel profissional como os pilotos, os astronautas e os comandantes base espacial foram muitas vezes ilustrados com asas. As asas não simbolizam nada espiritual.

No primeiro livro de Sitchin foi publicado em 1976, O 12º Planeta  . O conteúdo do livro é tão fantástica que parece mais aventureiro do que a ficção científica da história. No entanto, o livro é academicamente sólido de todos os pontos de vista, e não pode ser comparado ao estilo jornalístico e de entretenimento mais que caracteriza os livros de Erich von Däniken. Sitchin escreveu em todos os 14 livros, o último foi publicado poucos meses antes de sua morte em 09 de outubro de 2010. Ele nos deu uma emocionante e nova versão da história da humanidade, livre de acadêmicos besserwisserei interpretações do. primeiro livro de Sitchin foi traduzido para 25 idiomas. Sitchin, em contraste com Velikovsky e Däniken, foi muito pouco criticado pelos acadêmicos. Eles preferem o evitavam, encontrando-o muito longe. O recém-educados lingüista Michael S. Heiser, porém, tentou criar uma celeuma sobre a falta Sitchin de qualquer formação em línguas antigas, e fez barulho com o fato de que a interpretação que Sitchin de certas palavras sumérias diferia da interpretação convencional das palavras . Sitchin, no entanto, sempre defendeu em seus livros para suas interpretações alternativas e, portanto, não vê a necessidade de responder ao tipo de crítica que Heiser expressa. A idéia central em livros de Sitchin, com base no que os sumérios tinham sido ensinados por seus mestres, é que Nibiru é um planeta em nosso sistema solar que cada 3,600 anos cruza a eclíptica perto da órbita da Terra. Se a Terra deve estar próximo, durante a passagem de Nibiru, cataclismos globais pode ser desencadeada na Terra. Nibiru significa “o planeta de passagem”.


Planeta X – Nibiru (TYCHE) Admitido por cientistas – NASA desliga Telescópio Espacial

in NASA/Nibirus by
Você sabe como às vezes você pode sentir que algo está presente mesmo que você não pode vê-lo? Bem, os astrônomos estão tendo esse sentimento sobre um objeto, gigante escondido no espaço. E quando dizemos gigante, queremos dizer GIGANTE .
Eles descobriram o maior planeta em nosso sistema solar “!. Ele orbita o Sol em uma órbita muito elíptica, e é dito ser de 4x o tamanho de Júpiter! Tem uma atmosfera de hélio e hidrogênio. É mais provável ter luas! Este planeta se encaixa na descrição exata do Planeta X!
Assim, deve-se perguntar, por que de repente eles nos dizendo agora? Os cientistas sabem sobre este planeta desde 1983 e eles estão usando e IRAS WISE para monitorá-lo. Isso significa que será visível este ano? Eu estou pensando assim. Eles não têm escolha, mas para nos dizer como ele será visível para todos telescópio ainda este ano. E por que não estão chamando este planeta por seu nome real? Nibiru? Planeta X? Bem, isso significaria que todos nós chamamos de  “teoria da conspiração” e nossos antepassados, estavam certos o tempo todo!


O Telescópio da NASA,o WISE mostra um planeta gigante ao lado do Sistema Solar. 13 de fevereiro de 2011. A NASA confirma que está seguindo Hercólubus, no momento em que os cientistas chamam de como Tyche. O Telescópi Wide-field Infrared Survey Explorer (WISE) está mostrando um planeta gigante ao lado do Sistema Solar. Tyche (Hercólubus) é 4 vezes maior do que Júpiter e orbitam na borda exterior do Sistema Solar. Cientistas que estão apenas analisando os dados recolhidos pelo telescópio, afirmam que  ele mostra um planeta gigante até quatro vezes a massa de Júpiter à espreita o exterior nuvem de Oort, a região mais remota do sistema solar. A órbita de Tyche (Hercólubus) seria de 15.000 vezes mais distante do Sol do que a da Terra e 375 vezes maior do que Plutão.
A primeira parcela dos dados deve ser lançado em abril, e os Astrofísicos John Matese e Daniel Whitmire da Universidade da Louisiana em Lafayette  acham que vão revelar Tyche (Hercólubus) dentro de dois anos.
Isto significa que a NASA considera impossível esconder o fato que Hercólubus estará se aproximando em dois anos.
Depois de Tyche (Hercólubus) foi  localizado, outros telescópios podem ser apontado para ele para confirmar.
Professor Matese disse que União Astronômica Internacional (IAU) pode criar uma nova categoria para Tyche.
A IAU também teria a palavra final sobre o nome do planeta gigante. Para os gregos, era a deusa Tyche responsável ​​pelo destino das cidades. Seu nome foi escolhido provisoriamente em referência a uma hipótese anteriormente, agora abandonada, que o Sol poderia ser parte de um sistema estelar binário com um companheiro fraco, provisoriamente chamado Nemesis, que achavam que era o responsável  ​​por extinções em massa na Terra. No mito, Tyche era a irmã boa de Nemesis.
Tyche (Hercólubus) tem uma atmosfera muito parecido com Júpiter, com manchas coloridas e faixas e nuvens, Professor Whitmire afirmou que também espera que ele tenha luas. Todos os planetas exteriores tem “, acrescentou.
O que vai fazê-lo sobressair nas leturas dos dados será sua temperatura, previsto para ser em torno de 73C-, quatro ou cinco vezes mais quente do que Plutão. “O calor é mais na esquerda desde a sua formação”, o professor Whitmire disse. “É preciso muito tempo para refrescar um objeto deste tamanho.”
A maioria dos milhares de milhões de objetos na nuvem de Oort – uma esfera de um ano-luz de raio que se estende de um quarto da distância até Alpha Centauri, a estrela mais brilhante na constelação do sul – são pedaços de gelo sujo em temperaturas muito mais perto do zero absoluto (- 273C).
Algumas delas são desalojados de suas órbitas pela maré galáctica , a atração gravitacional combinada dos bilhões de estrelas na direção do centro da Via Láctea  e começa a cair por muito tempo no interior do sistema solar.
Como os cometas de longo período se aproxima do Sol, algumas fervem formando a cauda característica que as tornam visíveis.

Professores e Matese Whitmire propõe pela primeira vez a existência de Tyche (Hercólubus) para explicar por que muitos desses cometas de longo período vinham na direção errada. Em seu último artigo, publicado na edição de fevereiro de Ícaro, a revista internacional de estudos de sistemas solares, eles relatam que mais de 20%  de muitos dos cometas de longo período observadas desde 1898 chegam a partir de uma banda circulando no céu a uma maior ângulo do que o previsto pela teoria da maré-galáctico.
Nenhuma outra proposta foi apresentada para explicar esta anomalia, uma vez que foi sugerida pela primeira vez há 12 anos.
Em suma: NASA e os cientistas vão informar sobre as Hercólubus se aproximando em breve, porque será impossível esconder por mais tempo.


Video Revela Conspiração entre Google e NASA para esconder Nibiru

in Nibirus/Videos by
Neste vídeo feito pelo site Common Sense Conspiracy revela uma possível conspiração entre o Google e a Nasa para esconder a aproximação do Planeta Nibiru ou Planeta X. Utilizando o Google Sky, um complemento do Google Earth, os aficionados por astronomia podem vasculhar os céus. Nesta verificação feita pelo site, quando informadas as coordenadas do Nibiru, a aplicação leva a lugares vazios ou apagados. Assista o vídeo e comprove.


Planeta Nebiru (Nibirus) Verdade ou Mentira?

in Nibirus by
Nibiru é também o nome de um hipotético planeta proposto por Zecharia Sitchin, baseando-se na ideia de que as civilizações antigas tinham feito contactos com extraterrestres, uma hipótese considerada inverossímil por cientistas[4] e historiadores. Segundo Zecharia Sitchin, este povo conhecia todos os planetas do sistema solar, inclusive Nibiru, um planeta lento que, a cada 3600 anos, passa junto ao Cinturão de Asteróides. Segundo os sumérios, na formação do sistema solar há 6 bilhões de anos, Nibiru foi atraído pelo Sol rumando em direção ao centro e chocou-se com outro planeta já alinhado chamado Tiamat, que se partiu ao meio dando origem a Terra e ao Cinturão de Asteróides, evento que ficou conhecido como Batalha Celeste.
 
Entre 1902 e 1914, arqueólogos encontraram alguns pergaminhos na região da Assíria, antiga Mesopotâmia. Estes pergaminhos foram escritos 1000 anos antes das primeiras histórias bíblicas. Incrivelmente, nessa idade já se sabia muito sobre astrologia.
 
Os sumérios descreviam nosso sistema solar como um conjunto de 12 corpos celestes significativos. Na linguagem zodiacal, estes astros são todos chamados de “planetas”, embora, entre eles, os antigos incluíssem a Lua e o Sol. Isso significa que os mesopotâmicos, não somente possuíam um inexplicável conhecimento astronômico, eles também afirmavam a existência de planetas que somente a ciência contemporânea pôde reconhecer, como o longínquo Plutão, hoje destituído de seu status planetário. Os miteriosos Urano e Saturno e o até hoje desconhecido porém procurado, o 12º planeta. Este que os sumérios denominavam Nibiru. Ora, se os sumérios, há 6 mil anos atrás, estavam corretos em relação aos nove planetas reconhecidos hoje porque não poderiam estar, igualmente corretos, em relação a Nibiru? Nibiru é um planeta desconhecido marrom, sua translação através do nosso sistema solar é a cada 3.600 anos. Nibiru é dito ter várias luas ao redor e arrasta uma longa cauda de detritos e materiais de rocha.
Há milhares de anos, Nibiru colidiu com um planeta que estava entre Marte e Júpiter chamado Tiamat, Nibiru completamente destruíu Tiamat, criando assim os escombros espalhados pelo cinturão de asteróides que separa os planetas exosolares e intrasolares. Desde esse ocorrido, sua órbita foi afetada, e Niviru após a colisão teve o caminho mais longo de todos os planetas do sistema solar.
Há seis mil anos atrás, os Sumérios conheceram um planeta chamado Nibiru. Era o planeta de origem de um povo descrito pelos antigos como “raça de deuses”. Os nativos de Nibiru visitaram a Terra no passado influenciando decisivamente a cultura humana. Artefatos e tabuletas cuneiformes de argila e pedra encontradas no Iraque referem-se claramente a um planeta de onde vieram viajantes cósmico. Aos poucos, a pesquisa sobre Nibiru começa a aparecer, ainda que o planeta seja chamado por outros nomes, como Anunnaki e foram considerados deuses. A tradição conta que os Anunnaki possuíam “servos” que eram “seres andróides”. Não eram seres vivos mas agiam como se fossem.
 
De acordo com os sumérios (a mais antiga civilização no mundo), o planeta Nibiru é habitado pela raça Anunnaki (hominídeos reptilianos). Quando Nibiru em sua translação ao Sol se aproximou do nosso planeta, o seu povo veio aqui para roubar minerais diferentes e retornar ao seu planeta e para voltar 3600 anos mais tarde. Ainda de acordo com os sumérios, o homo sapiens é uma espécie criada pelos Anunnakis, a fim de criar uma raça de escravos (nós). Segundo os Sumérios o planeta Nibiru é habitado por todos os nossos deuses. 
 
 
 
A órbita excêntrica, extensa de Nibiru, faz com que o planeta passe milênios totalmente invisível à observação no centro do sistema solar. Zecharia Sitchin acredita que quando a posição de Nibiru é favorável, ciclicamente, os Anunnaki – habitantes de Nibiru – visitam a Terra e interferem no curso da história humana. O ano de Nibiru corresponde a 3 mil e 600 anos terrenos, período regular de intervalo entre as visitas dos Anunnaki. O grande planeta Nibiru foi capturado pela força gravitacional do sistema solar e sua entrada no conjunto causou anomalias nas luas dos outros planetas. Nibiru colidiu com Tiamat e enormes fragmentos entraram na órbita da Terra. Um desses fragmentos veio a ser a Lua.
 
 
Seis mil anos depois do dilúvio, os Anunnaki que aqui permaneceram resolveram que era hora de deixar o planeta e, gradualmente, conduziram a raça humana à independência, introduzindo um sistema sociopolítico fortemente hierarquizado. Linhagens de reis foram estabelecidas, possivelmente considerando a descendência dos Anunnaki: eram os “Iniciados”, versados em ciências como matemática e astronomia, conhecedores de técnicas de medicina, arquitetura e engenharia.
 
 
Entre 1983 e 1984, o IRAS – Infrared Astronomical Satellite produziu observações relacionadas a um décimo planeta. Em 1992 novas descobertas foram publicizadas sobre um planeta a mais no sistema, denominado “intruder – “planeta intruso”. Os cientistas começaram, então, a confrontar os dados da astronomia com as traduções de Zecharia Sitchin, em especial, a tradução do documento Enuma Elish, que contém a história da formação deste sistema solar. São anais muito antigos que falam de um planeta do tamanho de Urano chamado Tiamat, cuja órbita passa entre Marte e Júpiter.

O grande planeta Nibiru foi capturado pela força gravitacional do sistema solar e sua entrada no conjunto causou anomalias nas luas dos outros planetas. Nibiru colidiu com Tiamat e enormes fragmentos entraram na órbita da Terra. Um desses fragmentos veio a ser a Lua.O interesse de antigos e contemporâneos por Nibiru decorre de uma questão muito prática. Os relatos arqueológicos são claros: a passagem deste planeta a cada 3 mil e 600 anos nas proximidades da Terra produz efeitos sensíveis na realidade ambiental; catástrofes são desencadeadas. A passagem de Nibiru é, possivelmente, a causa da mudança nos pólos da Terra, dos regimes da marés, dos padrões climáticos, dos desvios da órbita e choque com asteróides que são arrastados pelo “intruso”. Nibiru pode ter provocado, por exemplo, a extinção da vida em Marte, o diluvio de Nóe ou o fim da época dos dinossauros. Existe uma área no Google Sky que está indisponível para visualização. A parte camuflada fica ao sul da constelação de Orion, local em que se estima a localização de Nibiru.
 
Mas de nada adiantou, uma vez que colocada a imagem em infravermelho, uma ¨coisa¨ se faz presente, com as mesmas características de Nibiru Nibiru tem sido chamdo de Disco Alado (com asas) ou com chifres (horned) pela humanidade do passado (por causa de sua aparência no céu).
 
Nibirus já se faz visível em alguns lugares do mundo, sendo confundido com um ¨segundo sol¨. Como podem ver nas imagens abaixo:
 
O jornal Washington Post entrevistou, na ocasião, um cientista do JPL-IRAS (Jet Propulsion Laboratory): “Um corpo celeste possivelmente tão grande como Júpiter e tão próximo da Terra que pode ser parte deste sistema solar foi encontrado na direção da constelação de Orion, por um telescópio em órbita. Tudo o que posso dizer é que nós não sabemos o que é isso”, disse Gerry Neugebauer, cientista chefe do IRAS. Todos os governos sabem sobre isto e eles estão tomando providências para sobreviverem à passagem do Planeta X (Nibiru) que está vindo, para manter intacto seus poderes.
 
O que é Nibiru? Nibiru é um de muitos planetas que orbitam uma Estrela Escura (Dark Star) ou Anã Marrom (Brown Dwarf). Esta Estrela Escura tem cinco planetas menores, um sexto planeta do tamanho da Terra que abriga vida (Homeworld), e o sétimo é o planeta ou objeto que nós chamamos de Nibiru.
 
O Homeworld é muito parecido com a Terra e é onde moram os Annunaki, “os Gigantes ou Deuses de Antigamente”. Nibiru é na maior parte inabitável. Quando a Estrela Escura fica no periélio (posição mais próxima do nosso Sol), entre 60 e 70 AU [AU=Astronomical Unit=unidade astronômica igual à distância média entre a Terra e o Sol], a órbita de Nibiru, que fica a 60 AU da Estrela Escura, possui uma órbita suficientemente alongada para atravessar nosso sistema solar, geralmente nas proximidades da órbita de Júpiter, apesar que isso pode variar.
 
A inclinação orbital de Nibiru é cerca de 30 graus com relação ao nosso plano solar ou da eclíptica. Quando Nibiru atravessa nosso sistema solar em movimento retrógrado (sentido oposto) com relação aos demais planetas, algumas vezes ele desloca os planetas causando perturbação generalizada neste processo. Sua passagem é momentosa mas rápida, levando apenas algumas semanas, ou meses no máximo, após o que ele desaparece de vista. Ele tem a cor vermelha e marrom, com uma cauda cheia de entulhos, e é circundado por várias luas. Nibiru e/ou suas luas foram responsáveis pela destruição de Tiamat, que agora é o Cinturão de Asteróides (localizado entre as órbitas de Marte e Júpiter). Ele também causou as crateras e cicatrizes superficiais na nossa Lua e nos planetas do nosso sistema solar, assim como as inclinações axiais variáveis dos planetas em suas órbitas.

Ele causou o afundamento da Atlântida e o Dilúvio de Noé. Ele é o vínculo físico (ou “balsa”) entre nosso sistema solar e o sistema da Estrela Escura (Estrela anã marrom).
 
Quando Nibiru aproxima-se do sistema solar interior, ele irá acelerar rapidamente por debaixo da eclíptica, passando atrás e por baixo do Sol antes que ele passe para cima da eclíptica num ângulo de 33 graus. A NASA está observando Nibiru agora a partir de seu novo telescópio do Polo Sul (S.P.T.=South Pole Telescope), numa área do Polo Sul.
 
Em 21 de dezembro de 2012, Nibiru irá passar pelo plano da eclíptica e será visto como uma estrela vermelha brilhante e irá parecer um segundo sol, do tamanho aproximado da nossa Lua. Terremotos e clima muito perturbado irá ocorrer.
O pior, no entanto, deve vir em torno de 14 de fevereiro de 2013, quando a Terra se move entre Nibiru e o Sol. Haverá deslocamento dos polos e inclinação planetária. Ocorrerá grandes mudanças na Terra, Mega-terremotos e mega-tsunamis em escala global. A partir de 1 de julho de 2014, Nibiru não irá mais afetar nosso mundo pois ele irá se afastar desta parte da galáxia. A NASA sabe sobre Nibiru e, para não gerar pânico na população, não divulga essa verdade. Insiders da NASA, D.o.D. (Department of Defense), a inteligência militar nacional, o S.E.T.I. e a C.I.A. especulam que 2/3 da população do planeta podem perecer durante o próximo deslocamento dos polos causado pela passagem de Nibiru. A história mais importante da Terra em mais de 3.000 anos está se libertando das amarras feitas pelos controladores dos mercados financeiros. A maioria das agências governamentais secretas dos USA está totalmente ciente do que é esperado e estão se preparando. O Vaticano está totalmente ciente do que é esperado. O público não está sendo prevenido, nem está sendo dado a ele a chance de se preparar! Abaixo podemos ver um Video que Vazou na NASA onde é feita uma simulação da Orbita do Planeta X (Nibirus)

Estranhas Anomalias na Estaçao Neumayer – Antartica

in Antartica/Misterios/Nibirus by
No Dia 14 de Julho de 2011 na Estação Neumayer localizada na Antartica começaram a ocorrer alguns eventos que chamaram a atenção até dos céticos ao assunto.

Imagens captadas pelas câmeras de monitoramento registraram algo bem conhecido como podemos ver nas fotos e nos videos a seguir :

Veja o Video abaixo :

Este vídeo foi feito com as imagens “quadro-a-quadro” disponibilizadas no site da Estação Neumayer(localizada na Antártica) no dia 06/04/2012. A estação disponibiliza 4 ângulos diferentes de imagens, e as imagens utilizadas neste vídeo, foram retiradas desta webcam: http://www.awi.de/NM_WebCam/livemovieP.html Logo no começo do vídeo, temos no nascer do sol às 07h45 (horário na estação Neumayer). A partir de 21’ do vídeo (às 17h30 na estação Neumayer), temos um “Objeto”, que não era nosso Sol e nem a nossa Lua.

 

Uma das especulações é que seja o Planeta Nibiru (Planeta X)

Go to Top

Powered by themekiller.com anime4online.com animextoon.com apk4phone.com tengag.com moviekillers.com