Category archive

NASA

Falha em tanque de hélio pode ser razão de explosão da SpaceX e não UFOs

in NASA/News/OVNIS/UFOS/USA/Videos by

Acidente com o foguete Falcon 9 está sendo investigado pela empresa, em conjunto com a força aérea americana e Nasa

Para a decepção de muitos ufólogos entusiastas de teorias da conspiração que alardearam aos 4 ventos a noticia de que UFOS teriam causado a explosão do Foguete Falcon 9. Verdadeiras produções de cinema para tantar conprovar a teoria que como todas as outras caiu no esquecimento e agora próxima de ser enterrada, pois as investigações sobre as causas da explosão foguete Falcon 9 da SpaceX apontam para falhas em um dos três reservatórios do sistema de hélio criogênico do foguete. Esse sistema é responsável pela manutenção da pressão do combustível do foguete, garantindo a propulsão. Segundo comunicado divulgado pela companhia do biolionário Elon Musk, as investigações sobre o acidente estão progredindo rapidamente e devem, em breve, revelar as razões do problema.

Três semanas após o acidente, uma equipe composta por especialistas da empresa, da Força Aérea Americana e da Nasa, identificou que a origem da explosão estava no sistema de hélio do foguete. Durante o mês de outubro, testes feitos pela equipe limitaram a origem da falha e revelaram que ela aconteceu nos reservatórios do sistema. Segundo a investigação, a peça pode ter sofrido com variações de temperatura e pressão durante o abastecimento.

De acordo com a empresa, os próximos passos são recriar as condições que podem ter causado a explosão, para chegar até a raiz do problema. Com isso, a SpaceX pretende desenvolver métodos para aperfeiçoar o abastecimento desses reservatórios e impedir problemas futuros. Curto-circuito, falha humana e até sabotagem foram as razões levantadas pelos especialistas para o acidente.

Explosão do Falcon 9

Em 1º de setembro, a SpaceX estava realizando testes nos motores do foguete Falcon 9 na plataforma de lançamento em Cabo Canaveral, na Flórida. As avaliações pretendiam verificar se o equipamento estava preparado para enviar o satélite de comunicação Amos-6 ao espaço. Na ocasião, uma falha ocorreu e uma grande explosão incendiou o foguete e o satélite.

Em nota, a companhia informou que prevê voltar com as operações até o fim deste ano.

Confira o momento do acidente:

‘Planeta Nove’ pode estar causando inclinação do sistema solar

in Documentos Revelados/NASA/News by

Astrônomos trazem novas evidências para a existência de um novo e gigantesco integrante no sistema solar

O “Planeta Nove” pode ser a razão por trás da misteriosa inclinação de seis graus do sistema solar, de acordo com astrônomos. Nesta semana, durante o encontro anual de cientistas planetários da American Astronomical Society (AAS, na sigla em inglês), pesquisadores americanos revelaram novas evidências para a existência de um nono planeta, que estaria orbitando o Sol além de Netuno.

A presença de um corpo celeste com massa de cerca de dez vezes a da Terra, vinte vezes mais longe do Sol que Netuno, foi proposta em janeiro pelos astrônomos Konstantin Batygin e Mike Brown (conhecido como o cientista que “matou” Plutão), do Instituto de Tecnologia da Califórnia (Caltech, na sigla em inglês), nos Estados Unidos. De acordo com os pesquisadores, o movimento de alguns corpos celestes do Cinturão de Kuiper, uma região nos confins do sistema solar, só poderia ser explicado pela presença de um grande e longínquo astro. Ele só não teria sido encontrado, de acordo com os cientistas, por estar localizado entre 32 bilhões e 160 bilhões de quilômetros de distância da Terra.

No novo estudo, publicado no periódico científico Astrophysical Journal, Brown apresentou uma análise em que o “Planeta Nove” seria a explicação para a inclinação de seis graus do sistema solar – que, até o momento, é considerada misteriosa para os cientistas. Em linhas gerais, os oito planetas orbitam o Sol como se estivessem em um mesmo plano. Esse plano, contudo, é inclinado em relação ao Sol. Se pudéssemos ver de fora, a impressão seria de que o Sol (e não o plano) estivesse inclinado.

“Esse é um mistério tão antigo e tão difícil de explicar que simplesmente não falamos sobre ele”, explicou Brown, em comunicado da Caltech.

Ao colocar o hipotético novo planeta como razão desse fenômeno, o astrônomo e sua equipe descobriram que, se ele for gigante como dizem as estimativas e tiver uma órbita inclinada cerca de trinta graus em relação ao plano do sistema solar, ele pode ser a explicação que faltava para a inclinação.

“Como o ‘Planeta Nove’ é tão massivo e tem uma órbita inclinada em comparação aos outros planetas, o sistema solar não tem outra opção a não ser ‘torcer’, lentamente, seu alinhamento”, afirmou Elizabeth Bailey, uma das autoras da pesquisa, publicada no periódico científico Astrophysical Journal.

Novas pistas

Outro time de cientistas, liderado pelo astrônomo Renu Malhotra, da Universidade do Arizona, nos Estados Unidos, também sugeriu que o “Planeta Nove” pode ser o motivo para órbitas estranhas de quatro corpos celestes do Cinturão de Kuiper. Segundo eles, esses objetos não seriam afetados por nenhum dos planetas do sistema solar (como acontece com a órbita de Plutão, um planeta anão que recebe a influência de Netuno, o mais próximo a ele), mas de um “nunca visto” corpo celeste massivo – um nono planeta, portanto. As estimativas de Malhorta sobre a massa e a localização desse corpo celeste batem com os cálculos prévios de Brown e Batygin.

“Nosso estudo traz estimativas mais precisas para a massa e órbita que esse planeta teria e, mais importante, restringe sua posição em sua órbita”, explicou o Malhorta, em comunicado.

Segundo os cientistas, o “Planeta Nove”, apesar de ainda não comprovado, seria a explicação mais plausível dada pela ciência para alguns comportamentos aparentemente inexplicáveis do sistema solar.

“Ele continua a nos impressionar. Cada vez que olhamos com cuidado percebemos que o ‘Planeta Nove’ revela algo sobre o sistema solar que, por muito tempo, nos pareceu misterioso”, afirmou Konstantin Batygin, do Caltech.

Nasa encontra “mensagem” escrita na superfície de Marte

in Agências/Misterios/NASA/News by

De acordo com um comunicado da Nasa, os sinais foram encontrados em uma depressão circular que limita a quantidade de areia disponível para a formação de dunas. Ela provavelmente influenciou os ventos locais e, por isso, a “mensagem” foi elaborada.

Os cientistas da agência espacial explicam que os longos traços são formados por ventos bidirecionais. Isso significa que o vento foi “soprado” em ângulo reto com a duna. Já os pontos são criados onde há alguma interrupção no processo de desenvolvimento dessas dunas lineares.

Contudo, eles ainda não sabem dizer como isso ocorre. Portanto, as fotos tiradas pela Nasa podem ajudar os geofísicos a entender a direção dos ventos em Marte e como foram criadas essas composições geológicas.

Apesar de a pesquisa da Nasa não estar voltada para a comunicação com vidas extraterrestres, Veronica Bray, cientista da agência espacial, quis saber se uma mensagem poderia estar escondida nas linhas e nos pontos das dunas.

Segundo Bray, em entrevista para o Gizmodo, os sinais formam a seguinte frase:

NEE NED ZB 6TNN DEIBEDH SIEFI EBEEE SSIEI ESEE SEEE !!

Agora, é você quem escolhe se isso é apenas uma formação geológica ou uma mensagem em uma língua extraterrestre.

Sonda Juno entra na órbita de Júpiter com sucesso

in Juno/Jupiter/NASA/News/Planetas by
nasa1
Funcionários da Nasa comemoram a manobra da sonda Juno na órbita de Júpiter (Foto: Nasa)

Apos 5 anos de viagem, a sonda Juno entrou com sucesso na órbita de Júpiter, o maior planeta do sistema solar. Com transmissão ao vivo pela internet, a equipe na Nasa comemorou a inserção na magnetosfera à 0h54 desta terça-feira (5).
A sonda se aproximou sobre o pólo-norte do planeta, mostrando uma perspectiva inédita do sistema de Júpiter – incluindo as suas quatro grandes luas. Um laboratório da Nasa localizado em Pasadena, na Califórnia, administrou a missão Juno, chefiado pelo pesquisador Scott Bolton, que também ajudou a levar uma sonda a Saturno.

thumbs.web.sapo

Esta é a primeira vez que Júpiter será visto abaixo da cobertura densa de nuvens. Por isso o nome Juno, uma homenagem à deusa romana que era esposa de Júpiter. As informações são da agência espacial americana.
Lançada em 5 de agosto de 2011, a sonda percorreu 716 milhões de quilômetros – quase 18 mil voltas na Terra – até o planeta e deve voltar a solo, se nada der errado, em 20 de fevereiro de 2018. Juno tem 3,5 metros de altura e 3,5 metros de diâmetro e é movida a energia solar, com uma velocidade que supera 265 mil km/h.
Todo o programa custou US$ 1,13 bilhão. A Juno foi a primeira missão que levou uma nave movida a energia solar comandada a partir da Terra, além de orbitar de pólo a pólo de um planeta. Nenhuma outra sonda chegou, até agora, tão perto da superfície de Júpiter.

juno2_web_1024
O campo magnético do planeta é 20 mil vezes mais forte que o da Terra. Por isso, o grande perigo para visitar Júpiter com uma nave espacial. Outra questão é o fato de que a Juno não foi projetada para operar dentro de uma atmosfera e passará por um período de “queimação” enquanto estiver orbitando.

Segundo a Nasa, o principal objetivo da missão é entender a origem e a evolução do planeta. Conhecer o que há abaixo da densa cobertura de nuvens. Com um conjunto de instrumentos, a sonda vai investigar a quantidade de água e amoníaco na atmosfera profunda. Recentemente, já foi possível avistar a aurora boreal do planeta.

Astrônomos descobrem nova ‘quase-lua’ ao redor da Terra

in NASA/News by

Sabe aquela Lua que você vê no céu toda noite? Ela não está sozinha na órbita terrestre. Astrônomos descobriram uma “quase-lua” nova que está circulando o nosso planeta, e que vai continuar fazendo isso por mais alguns séculos. A descoberta aconteceu em 27 de abril de 2016 pelo telescópio de busca a asteroides Pan-STARRS 1, localizado na cidade de Haleakala, no Havaí.

Trata-se de um astreróide recém-descoberto, que recebeu a alcunha de 2016 HO3, e que está, na verdade, orbitando o Sol. Porém, em sua trajetória, também está revolvendo ao redor da Terra, como faz a Lua, afetado pela gravidade do nosso planeta.

Para ser considerado um satélite natural, ele precisaria estar mais próximo da Terra; isso impede que ele receba o status oficial de lua. Não-oficialmente, ele se comporta como uma lua, embora esteja distante e seja razoavelmente pequeno.

Conforme orbita o Sol, o 2016 HO3 passa metade de seu tempo mais perto do astro do que a Terra, mas na outra parte ele acaba ficando atrás do planeta. As medidas, como informa a NASA, estão entre 40 e 100 metros de ponta a ponta (as estimativas ainda não são claras), o que é bem diferente da nossa Lua, com mais de 3 mil quilômetros de diâmetro.

Paul Chodas, cientista da NASA, usa uma expressão curiosa para descrever a situação do quase-satélite. “Na prática, este pequeno asteroide ficou preso em uma dancinha com a Terra”, e é o que de fato está acontecendo. Mesmo que o nosso planeta não seja a sua órbita principal, por causa da gravidade do planeta, ele nunca fica muito longe, nem muito perto. Ele nunca está a mais de 100 vezes a distância da Terra para a Lua, e também nunca está mais perto do que 38 vezes a mesma distância. Ou seja: ele também não é um risco ao planeta.

Os cálculos indicam que o HO3 está nesta dança há cerca de um século, e deve continuar com isso por pelo menos mais alguns séculos. Assim, a Terra terá mais um companheiro nos céus por mais um bom tempo.

UFO é registrado próximo a Estação Espacial Internacional (ISS)

in ISS/NASA/OVNIS/UFOS by

A intrigante imagem foi feita por Jadon Beeson, morador de Stourport-on-Severn (Inglaterra), quando ele observava uma transmissão ao vivo da Nasa (agência espacial americana).

Nela, um objeto voador não identificado é visto se aproximando da Estação Espacial Internacional. Jadon enviou mensagem à Nasa pedindo alguma explicação, mas ainda não obteve resposta, contou o “Metro”.

“Estava assistindo o transmissão no meu iPhone na noite de terça-feira e percebi que havia um objeto metálico, acompanhado de uma radiação azulada. Ficou lá por dois minutos”, comentou o jovem inglês.

“Parecia com a Millennium Falcon, de ‘Starwars’ ou algo de ‘Contatos Imediatos do Terceiro Grau'”, acrescentou ele.

NASA : COMETA “PASSOU RASPANDO” A TERRA HOJE

in NASA by

Um cometa passou de “raspão” pela Terra hoje (22) às 11:30, segundo a Nasa. Chamado de P/2016 BA14, o astro ficou a apenas 3,5 milhões de quilômetros do planeta – nove vezes a distância até a Lua.
Isso torna o “quase encontro” o terceiro mais próximo da história recente – ele só perde para o Lexell D/1770 L1, que passou a 2,2 milhões de quilômetros da Terra e o C/1983 H1.
size_810_16_9_cometa_nasa
Em termos de distância no universo, o cometa passou muito perto do planeta. No entanto, ele é relativamente pequeno (230 metros de diâmetro) e, por isso, não pode ser visto a olho nu.

Os cientistas da agência espacial acreditam que o pequeno tamanho do astro se deve ao seu possível despreendimento de outro cometa, o 252P / LINEAR, que passou ontem (21) perto da Terra.

“Talvez durante uma passagem pelo sistema solar ou durante uma aproximação por Júpiter, um pedaço possa ter se desmembrado do 252P e originado o BA14”, comenta a Nasa em um comunicado.

Isso pode ter acontecido, pois cometas são feitos, basicamente, de pedaços de gelo, rocha e compostos orgânicos. “Nós descobrimos que os cometas são coisas relativamente frágeis em 1993, quando o cometa Shoemaker-Levy 9 foi encontrado e seus pedaços foram ligados a um sobrevoo de Júpiter”.

A Nasa confirmou que a aproximação do P/2016 BA14 não foi uma ameaça para a humanidade. “Em vez disso, é uma excelente oportunidade para o avanço científico no estudo de cometas”.

Pesquisador de óvnis diz que Sol tem ‘porta’

in Conspiracy theories/SOHO/Sol/Telescópios by

Evidente que com certeza é mais um de muitos devaneios de Scott C. Waring, pois nitidamente podemos ver que trata-se apenas de uma falha na renderização das imagens do SOHO, mas vamos lá ver o que a imaginação fértil de nosso amigo viu desta vez:

Para Scott C. Waring, entusiasta da vida fora da Terra e pesquisador de óvnis, uma imagem é forte indício de que o Sol tenha uma “porta”, que permitiria a passagem de naves de outros planetas.

Segundo Waring, a imagem obtida pelo satélite SOHO, da Nasa, mostra que o Sol é muito mais jovem que a Terra e que, por consequência, não tem um centro.

O pesquisador afirma que a “porta” revela que a estrela de quinta grandeza é, na verdade, oca.

“Uma porta gigante se abriu no Sol nesta semana, apenas um pouco, mas o bastante para fazer uma rachadura ao longo do Sol. Ela se abriu apenas para deixar naves passarem”, afirmou Waring no seu site, o “UFO Sightings Daily”.

blog_sun_door
Pela ‘porta’ entrariam e sairiam do Sistema Solar naves de ETs | Reprodução/UFO Sightings Daily

A “Teoria do Sol Oco” foi criada por Jeffrey Wolynski. Segundo ela, o Sol vai murchar, esfriar-se e sofrer um colapso até se estabilizar em um bola sólida.

Para muitos ufólogos, o Sol é uma estrutura artificial, com camuflagem flamejante que esconde no seu interior um mundo mil vezes maior que o nosso.

Asteroide passará de raspão pela Terra no início de março e agora o pior : “A NASA não tem a minima ideia de quando será!!”

in (JPL) Jet Propulsion Laboratory/Asteroides/NASA by

Um asteroide com cerca de 30 metros de diâmetro — capaz de produzir danos, portanto — deve passar de raspão pela Terra nos primeiros dias de março, mas não deve colidir, segundo a Nasa.

Em compensação, a essa altura, o nível de incerteza sobre quando ele vai passar de raspão — e quão perto será esse “quase” — ainda é bem grande. De início, imaginava-se que o objeto, que atende pelo nome 2013 TX68, fosse passar no dia 5, a cerca de 24 mil quilômetros da Terra — menos que duas vezes o diâmetro do nosso planeta e numa região mais interna do que a que abriga a maioria dos nossos satélites de telecomunicação.

Outras observações de arquivo levantadas do asteroide, contudo, já sugerem que ele provavelmente vai passar bem mais longe, fazendo sua aproximação máxima só no dia 8, e a cerca de 5 milhões de quilômetros — várias vezes a distância Terra-Lua.

A despeito da incerteza, os cientistas afirmam que não há hipótese de colisão. “Não há preocupação nenhuma sobre esse asteroide — a não ser que você esteja interessado em vê-lo com um telescópio”, disse Paul Chodas, do JPL (Laboratório de Propulsão a Jato) da Nasa.

(Não se anime nem com isso, contudo: esse asteroide será muito difícil de observar, com toda essa incerteza e com a possibilidade maior de passar muito longe.)

Meteorito explode sobre o mar a mil quilômetros da costa Brasileira

in Meteoritos/Meteoros/NASA/News by

De acordo com a NASA um meteorito entrou na atmosfera em 6 de fevereiro e liberou o equivalente a 13.000 toneladas de TNT ao explodir no céu, a cerca de 30 quilômetros da superfície.

160223210709_meteor_thinkstock_640x360_thinkstock_nocredit
Meteoro que caiu perto da costa brasileira é o maior desde 2013

Uma bola de fogo entrou na atmosfera da Terra e atingiu o oceano Atlântico a cerca de 1.000 quilômetros da costa do Brasil, de acordo com informações da Nasa. A agência espacial americana reportou que o meteorito liberou o equivalente a 13.000 toneladas de TNT ao explodir no céu, a cerca de 30 quilômetros da superfície. O evento, divulgado nesta semana, ocorreu na manhã de 6 de fevereiro.
Para se ter uma idéia, o evento com um meteoro ocorrido em Chelyabinsk, na Rússia, há 3 anos. O meteorito que entrou na atmosfera, e fez com que muitos russos vissem uma bola de fogo cortar o céu, liberou o equivalente a 500.000 toneladas de TNT ao explodir (40 vezes mais potente que o evento deste mês), quebrando diversas janelas de vidro e ferindo mais de 1.000 pessoas.
Meteoros como o que caiu recentemente – no oceano, longe dos olhos das pessoas – são identificados por meio de três medições: observações via satélite, capazes de reportar imagens da bola de fogo; sismógrafos, que podem detectar as ondas de propagação da explosão por meio do solo; e microfones atmosféricos, que conseguem identificar as ondas de som do evento.
De acordo com pesquisas científicas, cerca de 30 pequenos meteoritos, que medem entre 1 e 20 metros, entram na atmosfera terrestre todos os anos, atingindo velocidades entre 10 a 100 quilômetros por segundo. Ao cair rapidamente, o ar na frente do objeto é tão comprimido que esquenta, pega fogo e “vaporiza” o meteoroide. Como a maior parte da superfície da Terra é composta por água, a maioria desses meteoritos cai no oceano e não atingem a população.

Astronautas da Apollo 10 relatam ter ouvido uma “Musica” durante missão lunar

in Documentos Revelados/Misterios/NASA/News/OVNIS/UFOS/USA/Videos by

Os astronautas que voaram o ensaio geral para o primeiro pouso lunar relataram ter ouvido um misterioso som no espaço exterior, como se fosse um tipo de música ao voar por trás da Lua em maio de 1969.

O que causou estranheza foi o fato do misterioso som ser como um assobio inexplicável e foi descoberto durante um episódio da série Science Channel, “Arquivos inexplicados da NASA.” O episódio se concentra em um evento estranho experimentado pelos membros da tripulação Apollo 10, uma missão que voou para a Lua , entrou em órbita lunar e a  voou a 5.000 pés da superfície da lua em preparação para o vôo histórico de Apollo 11, dois meses depois.

Os voz dos astronautas da Apollo 10 – Tom Stafford, John Young e Eugene Cernan – pode ser ouvida em gravações do voo falando sobre o som estranho, e o que a NASA fala sobre o assunto.

“O Som é como se fosse um tipo de musica vinda do espaço exterior”, um dos astronautas diz.

“O que devemos dizer a [NASA] sobre isso?” Pergunta um astronauta.

“Eu não sei”, mais respostas. “Devemos pensar sobre isso.”

Não há nenhum registro de que os astronautas discutem o ruído com a NASA ou com o público. Não está claro se os astronautas já ouviram o ruído nas passagens subsequentes no lado mais distante da Lua ou se outros astronautas em missões posteriores também ouviram o som. John Young, eventualmente, voou de volta para a lua e andou sobre ela como o comandante da Apollo 16. Cernan comandou a missão Apollo 17 e foi o último homem a pisar na lua. Stafford voou no espaço novamente, mas nunca viajou de volta para a lua.

As fitas de Maio de 1969 foram registradas enquanto Stafford, Young e Cernan estavam no lado mais distante da Lua, fora da comunicação de rádio com a Terra. O som sibilante durou quase toda a hora os astronautas estavam fora de contato. Mais tarde, as gravações foram enviados de volta para o Controle da Missão, onde foram transcritas, arquivados e classificados, por protocolo.

A conversa foi finalmente descoberta em 2008.

Alguns técnicos têm especulado o som pode ter se originado a partir de interferência de rádios VHF no módulo de comando e o módulo lunar interagindo uns com os outros, segundo o pesquisador e autor Andrew Chaikin.

Mas nem todo mundo compra essa explicação.

“A tripulação da Apollo 10 estava muito acostumada com o tipo de barulho que eles deveriam estar ouvindo,” O Piloto do Módulo de Comando da Apollo 15 , Al Worden disse em um clipe do episódio. “A lógica diz-me que se havia algo gravado em lá, então havia algo lá.”

Cientistas desvendam ‘maior mistério do Sistema Solar’ em 2015: as manchas de Ceres

in Ceres/Dawn/Misterios/NASA/News/Planetas by

Foi o grande mistério do Sistema Solar em 2015: o que são as manchas luminosas de Ceres, o maior objeto do cinturão de asteroides entre Marte e Júpiter?

Os cientistas acreditam ter encontrado algumas respostas.

São locais em que os impactos de corpos celestes perfuraram uma camada congelada de água salgada sob a superfície do pequeno planeta anão (cerca de 950 km de diâmetro), disseram pesquisadores à revista Nature.

size_810_16_9_ceres-planet-lights2

As partes mais brilhantes correspondem aos impactos mais recentes.

A câmera da sonda Dawn, da Nasa (agência espacial americana), identificou cerca de 130 focos brilhantes no planeta. De longe, o grupo mais chamativo fica em uma cratera denominada Occator, no hemisfério norte de Ceres.

Quando a sonda entrou na órbita de Ceres, a câmera estava programada para registrar o que costuma ser uma superfície escura, negra como asfalto.

Por isso, as depressões superbrilhantes dentro de Occator saturaram o sensor do equipamento.

“Nós dissemos: ‘Uau, o que é isso?’ Não esperávamos algo assim”, lembra o pesquisador Andreas Nathues.

“A reflexividade estava em nível 0.25, ou seja, cerca de 25% da luz se refletia. E no centro no núcleo interno (das manchas de Occator) chegava a 50%, 60%”, disse o cientista do Instituto Max Planck, na Alemanha. “Enquanto a superfície restante era bem mais escura, com média de 9% de reflexividade.”

Gelo e sal em todo o planeta

Uma investigação posterior indica agora que há uma camada de gelo e sal em todo o planeta, abaixo dos escombros rochosos que o cobrem.

Quando um objeto do espaço impacta e penetra nessa camada, o gelo começa a se sublimar (passa diretamente do estado sólido ao gasoso).

Esse vapor liberado escapa da superfície, levantando partículas de gelo e pó, o que produz uma espécie de névoa.

150307141722_ceres_probe_640x360_bbc_nocredit
Sonda Dawn, da Nasa, entrou na órbita de Ceres em março de 2015

A sonda Dawn observou essa névoa durante o “dia”, e a conclusão é que as manchas desaparecerão à medida que o gelo se derreta e sobre apenas sal.

A Dawn identificou indícios da presença de sulfato de magnésio hidratado, conhecido como sais de Epsom, mas a substância não é tão reflexiva como o gelo.

A emissão de água, que corrobora observações de Ceres feitas em 2013 pelo telescópio espacial Herschel, é uma reminiscência de cometas, que entram em sublimação quando se aproximam do Sol.

“É um pouco como um cometa, mas é preciso entender que Ceres é um objeto diferenciado. Tem uma estrutura de concha”, afirmou Nathues à BBC.

“É muito provável que haja uma concha de gelo debaixo da casca. Essa estrutura é completamente diferente da dos cometas. Os cometas são objetos primitivos cheios de materiais originais que se alteram muito sutilmente.”

Em outubro a Nasa também lançou uma renderização usando imagens da espaçonave Dawn para criar um efeito Flyover.

A gravação foi reproduzida em cores falsas para destacar as diferenças nos materiais da superfície — incluindo esses nos pontos brilhantes:

wEnG1g

Os maiores pontos luminosos, acima, descansam no que é conhecido como cratera Occator, com cerca de 60 milhas (90 quilômetros) de diâmetro, e um material brilhante no centro com cerca de 6 milhas (9,6 quilômetros) de largura e 0,3 milhas (0,48 quilômetros) de profundidade.

Aqui está o planeta desde uma distância mais longinquia, mostrando o quão espalhados estão os pontos luminosos:

aA5XaD

Origem distante

Em artigo na revista Nature, María Cristina De Sanctis levanta a possibilidade de que Ceres não tenha sido formado no lugar em que está hoje (a 417 milhões de quilômetros do Sol), porém muito mais distante no Sistema Solar.

A pesquisadora observou resultados do espectrômetro de sinais visíveis e infravermelhos da sonda Dawn. O aparelho detectou possíveis filosilicatos amoniacais em grandes extensões do planeta anão.

Os filosilicatos são minerais de argila, produzidos quando materiais rochosos sofrem ação da água por muito tempo.

Contudo, a presença de amoníaco é o ponto interessante neste caso.

“Esses são filosilicatos que possuem algum amoníaco em sua estrutura, o que significa que o amoníaco deve ter estado disponível em algum momento. A única maneira de que isso tenha sido possível é que o material tenha tido uma origem mais fria”, afirmou De Sanctis, do Instituto Nacional de Astrofísica, em Roma.

A hipótese vem do reconhecimento de que cristais de amoníaco não seriam estáveis na órbita atual de Ceres ao redor do Sol. Esse material desaparece rapidamente quando a temperatura supera -173ºC.

Deste modo, para que Ceres tenha retido tanto amoníaco ou gelo rico em nitrogênio por tempo suficiente para que se incorporasse ao solo, é provável que o planeta tenha ocupado um ponto muito mais frio no passado, afirmou a pesquisadora.

“É uma possibilidade fantástica, e coincide com modelos dinâmicos da evolução do Sistema Solar que preveem que os objetos migrem até o interior do sistema”, disse

 

 

Fonte.: bbc

Asteroide gigante passará de raspão a Terra nesta noite de Natal

in Asteroides/NASA/News by

A Nasa informou que um asteroide gigante irá passar perto da Terra nesta quinta-feira (24), véspera de Natal. A rocha espacial, cuja forma pode ser comparada a de um pedaço de frango empanado, irá abordar a Terra no dia 24 de dezembro e retornará em novembro de 2018.

asteroid-2003-SD220-351601

Conhecido como 163899 ou 2003 SD220, o asteroide passará pelo nosso planeta a 8 km/s. Segundo dados coletados pelo Observatório Arecibo da agência espacial, o objeto rochoso tem dois quilômetros de diâmetro.

Em uma publicação em sua conta no Twitter, o Radar Arecibo revelou fotos de 2003 do asteroide:

Apesar do tamanho do SD220, os habitantes da Terra não precisam se preocupar. O asteroide irá “voar” a uma distância segura de 10,7 milhões de quilômetros do planeta – ou seja, cerca de 28 vezes a distância entre a Terra e a Lua.

Devido à distância, não será possível visualizar o asteroide a olho nu ou, até mesmo, através de um telescópio. “Apenas astrônomos profissionais conseguirão capturar imagens ópticas desta rocha espacial”, escreveu o astrônomo Eddie Irizarry no site EarthSky.

A Nasa disse em um comunicado que planeja fazer observações de radar do SD220. Com isso, a agência espacial pretende obter imagens mais precisas do tamanho, rotação, forma e outras características do asteroide.
Dois eventos astronômicos no dia

Além da passagem do asteroide, outro evento astronômico irá ocorrer na véspera do Natal. Pela primeira vez desde 1977, os habitantes da Terra poderão ver a Lua cheia na noite de Natal.

Segundo a Nasa, o pico da Lua cheia no dia do Natal será às 6h11 no horário de Nova York, 9h11 pelo horário de Brasília. A agência espacial ainda informa que o evento deverá ocorrer novamente apenas em 2034.

A Nasa pediu a todos que olhem para o fenômeno e pensem na sonda de reconhecimento lunar (LRO), que está investigando a superfície da Lua desde 2009.

“Quando olhamos para a Lua em tal ocasião, vale a pena lembrar que ela é mais do que apenas um vizinho celestial,” John Keller do Goddard Space Flight Center da NASA, em um comunicado. “A história geológica da Lua e da Terra estão intimamente ligadas de tal forma que a Terra seria um planeta drasticamente diferente sem a Lua”.

Luz cósmica misteriosa vinda do espaço intriga Cientistas

in Misterios/NASA/News/SETI/USA by

Nas últimas semanas, cientistas do mundo todo estão intrigados com misteriosas anomalias luminosas vindas de uma estrela, localizada nas profundezas do espaço sideral.

A princípio, o Instituto de Busca por Inteligência Extraterrestre (SETI, na sigla em inglês) descartou qualquer possibilidade que as anomalias luminosas, registradas no sistema solar KIC 8462852, sejam resultado de sinais de rádio, o que provaria a existência de vida inteligente.

Atualmente, cientistas da Universidade Estadual de Iowa, nos EUA, liderados pelo astrônomo Massimo Marengo, chegaram a uma conclusão diversa, depois de encontrar provas que lançariam luz sobre esse mistério intergaláctico.

Sendo assim, as flutuações de luz registradas e analisadas inicialmente por meio de dados fornecidos pelo telescópio Kepler foram novamente estudadas a partir do telescópio espacial infravermelho Spitzer, e se descobriu que os impulsos luminosos provinham de uma “família de cometas”.

No entanto, ainda são necessários estudos mais detalhados para confirmar ou descartar que essas anomalias luminosas do sistema solar KIC 8462852 seriam causadas pela presença de um conjunto de cometas. Sobre isso, Marengo se mostrou otimista, ao afirmar que

“por ser uma estrela muito rara (…) pode ser que ainda não saibamos o que acontece ao seu redor, mas é isso o que a torna tão interessante”

 

Suposta “Nave” abandonada em Marte aparece em foto divulgada pela Nasa

in Marte/NASA/News/Planetas/Rover Curiosity by

Um grupo que investiga indícios de vida extraterrestre afirma ter encontrado uma pequena nave na área da Cratera Gale, em Marte. A afirmação foi feita com base em uma foto divulgada no site da Nasa.

Foto original divulgada no site da agência espacial norte-americana (Foto: Divulgação/Nasa)

Segundo o site UFO Sightings Daily, citando o canal “Paranormal Crucible”, o objeto parece ser resultado da criação de uma população inteligente – os restos de algum dispositivo mecânico ou arma. No entanto, eles afirmar acreditar que o item, fotografado há alguns anos pela sonda Curiosity, seja uma nave construída por marcianos ou usada por outra espécie extraterrestre para explorar o planeta vermelho.

“Seja o que for, este objeto prova que, um dia, houve vida inteligente em Marte – o que a Nasa continua a negar para o mundo”.

Na semana passada, o site divulgou que uma teoria que causou polêmica.O grupo afirmou ter encontrado uma silhueta que lembra um urso polar em outra foto da mesma região do planeta, que é a área que a Curiosity tem explorado.

Em setembro, cientistas da agência espacial americana anunciaram que a sonda encontrou sinais de que Marte tenha água corrente durante o verão, o que aumenta as chances de vida no planeta vermelho. Para os pesquisadores, a descoberta é uma das provas de que a bacia esteve repleta de água com frequência.

E lá Vamos nós de novo” – Nasa alerta que grande asteroide passará ‘raspando’ a Terra na véspera do Halloween

in 2015 TB145/Alertas/NASA/News by

A rocha espacial, batizada de 2015 TB145, chegará a uma distância pouco maior que existente entre a Lua e a superfície terrestre. Apesar de ser relativamente grande, o fenômeno não apresenta risco de colisão com o nosso planeta

A Nasa anunciou que, às vésperas do Halloween, um asteroide de grandes proporções passará muito próximo à Terra. Descoberta recentemente, em 10 de outubro, a rocha espacial foi batizada de 2015 TB145 e tem diâmetro de 470 metros. Segundo a Nasa, no ponto de maior aproximação com a superfície terrestre, previsto para a madrugada do dia 30 para 31 de outubro, o asteroide estará a uma distância de 499 000 quilômetros do planeta. No entanto, os cientistas alertam que não há perigo de impacto com a Terra.
Até 2027, essa será a maior rocha espacial a se aproximar da superfície terrestre, de acordo com a Nasa. Essa distância de 499 000 quilômetros equivale a 1,3 a distância média da Lua em relação à Terra. Em 1999, um asteroide, que media cerca de um quilômetro de diâmetro, conseguiu ficar ainda mais próximo do nosso planeta: a rocha 1999 AN10 ficou a 30 000 quilômetros de distância da Terra. Esse fenômeno também não ofereceu riscos de colisão.

2015tb145_orbit-500x338
A posição da órbita do 2015 TB145 é o mais surpreende os cientistas. Diferente da maioria dos asteroides – possuem órbitas circulares -, essa rocha espacial orbita no formato de uma elipse, com grande inclinação, cerca de 40 graus, em relação aos planetas do Sistema Solar. Mesmo com o advento das tecnologias astronômicas, essa característica faz com que seja difícil detectar esse tipo de rocha e evitar colisões com os astros.

asteroid20151021-500x351
De acordo com os cientistas, apesar de não apresentar perigo para a Terra, essa aproximação mostra o quanto o planeta ainda está vulnerável a um possível impacto com rochas espaciais. No dia 2 de outubro, a Nasa, em parceria com a ESA (Agência Espacial Europeia), anunciou a missão Aida, que desviará a rota de um asteroide real como uma forma de teste. O projeto, que será iniciado em 2020, é o primeiro a estudar formas de proteger a Terra de possíveis impactos com objetos espaciais.
Impacto de um asteroide – Os asteroides são grandes corpos rochosos que orbitam em torno do Sol, mas possuem uma massa bem menor em comparação aos planetas. Apesar de ter proporções relativamente grandes, o 2015 TB145 não tem tamanho suficiente para provocar uma catástrofe global.
Constantemente, os asteroides estão envolvidos em boatos apocalípticos. No último mês de agosto, a Nasa divulgou um comunicado que desmentia rumores de que um asteroide gigante iria se chocar com a Terra e destruir grande parte das Américas, entre 15 e 28 de setembro.

Projeto Scramjet: a arma hipersônica capaz de voar a uma velocidade 15 vezes maior que a do som

in NASA/News/Projetos Secretos by

O Pentágono retomou o projeto experimental “Scramjet” (Supersonic Combusting Ramjet), da empresa Boeing, que prevê a construção de uma arma hipersônica.

scramjet-specification-drawingAinda em fase experimental, o projeto inclui o desenvolvimento de um estatorreator de combustão supersônica, ou seja, um motor a jato, sem turbinas nem compressores, no qual uma parte ou o total do processo de combustão acontece de forma supersônica.

Scramjet--X-43AFoguetes convencionais combinam combustível líquido com o oxigênio líquido para criar impulso (empuxo). Se a necessidade de oxigênio líquido é retirada, uma nave espacial pode ser menor ou transportar mais cargas úteis. Este é o conceito por trás de um sistema de propulsão diferente chamado “scramjet”, ou “Super Sonic Combustion Ramjet”. Dessa forma, o oxigênio necessário é retirado diretamente da atmosfera, que atravessa o motor em vez acumular combustível em um tanque a bordo, o que o permitirá alcançar velocidades incríveis.  Com isto, a nave se torna menor, mais leve e mais rápido. Um ramjet, por vezes referido como um stovepipe jet, ou um athodyd, é uma forma de motor a jato usando movimento para a frente do motor para comprimir o ar que entra, sem um compressor rotativo. Ramjets não pode produzir empuxo em velocidade zero e, portanto, não pode-se mover uma aeronave se ela estiver parada.

Os pesquisadores preveem velocidades que poderão ser 15 vezes maiores que a velocidade do som. De acordo com a NASA, uma viagem de 18 horas de Nova York para Tóquio se transformará em um voo de 2 horas. A Força Aérea dos EUA, junto com a DARPA (o braço de pesquisa do Pentágono), pretende contar com esse veículo aéreo hipersônico, autônomo e não tripulado, voando a Mach 15 (5.104,35 metros por segundos) em 2023.

Fonte: Revista Muy Interesante

Asteroide 86666 surpreende e passa mais próximo da Terra do que previsto pela NASA.

in 86666/Asteroides/Espaço/FIM DO MUNDO/NASA/News/Profecias/Universo by

A Terra teve a sorte de escapar neste fim de semana quando um enorme asteroide que estava vindo em direção ao em que a NASA descreveu sua passagem como um “quase acidente”.

NASAPrediction-363967

O objeto maciço de rocha, com quase 3.2 Km de largura e cerca de um quarto do tamanho do Monte Everest – passou raspando enquanto a maioria da Grã-Bretanha já dormia. Para surpresa da NASA, ele acabou passando um milhão de milhas mais perto do que a agência espacial tinha previsto.

Viajando em uma velocidade média de 40.000 milhas por hora, o asteroide, conhecido como 86.666 (2000 FL10), poderia ter dizimado um pequeno país, matando milhares de pessoas, se tivesse atingido a Terra quando ele sobrevoou a Terra nas primeiras horas da manhã deste sábado.

Logo depois que ele passou, a NASA emitiu um “All Clear para tranquilizar as pessoas e avisar que o susto tinha acabado.”

Mas a agência revelou o fato chocante que a rocha realmente passou a 15 milhões de milhas de distância da Terra ao invés das 16 milhões de milhas originalmente previsto.

O asteroide, que é estimado ter entre 0,7 milha e 1,6 milhas de largura, tornando-se mais de 15 vezes maior do que qualquer um dos outros sendo monitorados pela NASA, foi detectado pela primeira vez há 16 anos e os peritos tem o seguido desde então.

 

Memorando do FBI confirma queda de 3 UFOs em Roswell e não 1 como todos pensavam

in Agências/Caso Roswell/Casos/CIA/Conspiracy theories/COVERED UP/Documentos/Documentos Revelados/FBI/KGB/NASA/News/NSA/OVNIS/Roswell/UFOS/USA by

Ufólogos no Japão tropeçaram em um memorando do FBI que alguns acreditam que poderia provar que o famoso incidente Roswell realmente aconteceu e envolveu três discos voadores em vez de apenas um como suspeitávamos.

Um memorando do FBI que está sob escrutínio segue o FOIA, onde vários documentos foram desclassificados e sugere que cada “pires” continha três corpos alienígenas com três pés de altura, quase 1 metro, no lendário incidente “alien”.

O incidente de Roswell, ocorrido em julho de 1947, entrou para a folclore UFO após a Força Aérea dos EUA anunciar que tinha encontrado os restos do que suspeitavam ser de um disco voador acidentado no deserto do Novo México, perto da cidade.

Mas para surpresa de todos, no dia seguinte, a USAF retirou a declaração em meio a alegações de que mais tarde foi identificado como um balão meteorológico.

Caçadores de OVNIs sempre acreditaram que era um grande encobrimento e que os militares americanos realmente encontraram o objeto e os corpos de pilotos alienígenas.

Todos os anos Roswell tem um festival para celebrar a sua notoriedade UFO
Todos os anos Roswell tem um festival para celebrar a sua notoriedade UFO

Esta história tem sido um prato cheio para programas de TV especializados no assunto, com dramatizações, supostas testemunhas que afirmam o acobertamento dos militares, supostos ex-militares os quais se investigados não constam na folha de serviço da época, porém os mais entusiastas afirmam que isto seria uma prova do acobertamento onde todos os dados dos envolvidos teriam sido apagados. Testemunhas cívis afirmam que foram ameaçadas de morte pelos militares caso falassem alguma coisa sobre o que tinha presenciado. Enfim, várias histórias convergindo para o mesmo mistério que nunca conseguiram provas concretas.

Mas pelo que estamos vendo, esta história começou a mudar e agora o memorando do FBI no centro das atenções, datado de 1950 – três anos após o incidente de Roswell – afirma que cada um dos três “discos” continha três corpos dos ocupantes humanoides com três pés de altura , fazendo nove Alienígenas no total.

Trabalhadores de um museu se depararam com o documento quando eles estavam se preparando para abrir o Centro de Hakui for UFO Research, na cidade costeira de Hakui, 310 milhas a oeste de Tóquio, Japão, em 1994.

roswell-ufo-document-released-by-fbi

Mas ele só veio à luz novamente depois de documentos posteriores liberados sob o Freedom of Information Act (FOIA) dos Estados Unidos que sugerem que o FBI estava tão preocupado com a abertura do museu, que abriu seu próprio arquivo sobre as propostas.

guy-hottel-aliens

O memorando inicial de 1950 sugere que na realidade os militares dos EUA encontraram três objetos metálicos em forma de pires, completos e com os ocupantes, perto de Novo México, nos EUA.

O memorando revela que acredita-se que equipamentos de radar americanos na área  “teriam interferido com os discos e por alguma razão os derrubaram”, de acordo com o Jornal Telegraph.

guy-hottel-3

Ele disse: “Um investigador das Forças Aéreas afirma que três chamados discos voadores tinham sido recuperados no Novo México.

“Eles foram descritos como sendo de forma circular com centros levantados, cerca de 15 metros de diâmetro.

“Cada um era ocupado por três corpos de forma humana, mas com apenas três pés de altura, vestidos com um tipo de tecido metálico de uma textura muito fina.”

O memorando foi enviado pelo agente especial federal Guy Hottel, que estava no comando do Escritório de Campo do FBI Washington, em 22 de março de 1950, para em seguida o diretor do FBI J. Edgar Hoover.

O memorando de uma única página começa com o nome da pessoa que forneceu a informação sobre os discos voadores razuradas (Método utilizado para proteger informações dos envolvidos e informações consideradas sensíveis a segurança nacional).

Ele disse: “De acordo com o Sr. (escurecidas) informante, os discos foram encontrados no Novo México devido ao fato de que o Governo tem um radar com uma configuração de alta potência nessa área e acredita-se que o radar interfere com o controlador mecanismo dos discos.

“Não existe mais nenhuma avaliação que tenha sido tentada por SA [enegrecido out] relativa à acima.”

O documento estava entre 10.000 relatórios obtidos pelos funcionários do museu e estavam sendo preparados para permitir o acesso dos ufólogos via do Centro Hakui.

Mas documentos do FBI subsequentes datados de 1994 e agora lançados sob Freedom of Information Act (FOIA) dos Estados Unidos, mostram que a agência estava aparentemente tão preocupada com o que mais pode estar contido dentro dos arquivos e desde então ele começou a monitorar a abertura prevista do museu em 1994.

Esta nova revelação forneceu munição para os novos Teóricos da Conspiração, que agora acreditam que realmente houve um grande operação do governo dos EUA para encobrir tudo sobre o contato com alienígenas ao longo de vários anos.

O FBI manifestou as suas preocupações sobre o projeto Hakui em um memorando datado de 07 janeiro de 1994, logo antes que o centro abriu, dizendo que a “principal atração” seria a biblioteca com os 10.000 documentos disponíveis para leitura.

O memorando bombástico afirma que o funcionário do museu, Toru Wada, disse: “No futuro, esperamos que o centro irá se tornar um foco de atenção internacional em termos de recolha e divulgação de informações sobre OVNIs.”

Wada foi citado como dizendo: “A cidade tem meticulosamente adquirido os documentos ao longo de um período de 10 anos a partir de fontes como a Agência Central de Inteligência dos EUA (CIA).”

Outro também mencionado no memorando é Josen Takano,  38 anos, um funcionário municipal e entusiasta OVNI e investigador responsável por recolher todas informações dos EUA sobre UFOs.

O memorando do FBI acrescenta: “Takano disse que os esforços estão em curso para reunir ainda mais informações através de uma rede de entusiastas em 12 outros países.”

O Website Topsecretwriters.com, que escreve sobre conspirações e encobrimentos, disse: “O memorando serviu para validar o fato de que o governo dos EUA estava altamente interessado em qualquer tipo de atividade relacionada UFO antes da criação do Projeto Livro Azul.

“O memorando 1994 valida ainda mais as suspeitas de que o monitoramento de interesse civil e investigações de UFOs ainda estava sendo realizado.”

Não está claro se o FBI teve qualquer influência sobre o que acabou por abrir em Hakui, mas de acordo com topsecretwriters.com, não parecem ser tão dedicados ao estudo UFO como vinha previamente sendo trabalhado.

Cosmo Isle Hakui
Cosmo Isle Hakui

O centro é chamado Cosmo Isle Hakui e está em um edifício em forma de UFO que dizem para abrigar um OVNI e o Museu de NASA de Pesquisa Espacial .

Image34

Mas ele não aparece como abrigar os documentos de investigação em profundidade que ela se propôs.

Escrevendo para topsecretwriters.com, Sally Painter acrescentou: “Enquanto há um par de exposições na seção (em extraterrestres e OVNIs), a maior parte do museu parece ser dedicada a missões espaciais passadas, presentes e explorações.

O UFOSFACTS.COM conta com uma biblioteca com mais de 15.000 documentos, coletados desde 1976 através de fontes militares de alto escalão das forças armadas brasileiras, Pilotos Militares e Cívis brasileiros, alguns ainda considerados “Classificados” envolvendo todas as operações UFO no Brasil e America do Sul, além de documentos da CIA, NSA, FBI, USAF, KGB entre outras.

Nosso Website está passando por uma restruturação de seus servidores e dentro dos planos atuais, um servidor exclusivo e protegido está sendo preparado para receber cópias digitais destes documentos.

 

Parece brincadeira, mas não é. NASA confirma que asteróide com 3.2km passará perto da Terra AMANHÃ

in 86666/Asteroides/Espaço/NASA/News by

Um asteroide enorme medindo quase 3.2Km passará raspando a Terra amanhã, a Nasa confirmou.

Segundo a NASA ele “deve” passa em segurança pela terra, mas os astrônomos estão mantendo um olhar atento sobre o 86666 (2000 FL10), que, de acordo com a NASA, será um dos maiores a passar perto do nosso planeta nos últimos tempos.

A rocha gigante está cruzando o espaço a 40.000 milhas por hora. O tamanho exato do asteroide ainda não está claro se ele está estimada entre 1Km e 3.2 Km de largura – mais de 15 vezes maior do que outros asteroides atualmente no radar da NASA.

Uma colisão seria nada menos do que catastrófica com o fragmento de rocha pensado para ser em torno de um quarto do tamanho do Monte Everest.

Nasa lançou uma projeção animada do caminho do asteróide, que você pode assistir abaixo. 86666 aparece a partir do canto superior esquerdo da tela, pois se aproxima a órbita da Terra.

nasa-asteroid-path-362285

Isto faz o YB35 2014, o qual manteve astrônomos preocupados ao redor do mundo assistindo o céu em março, se reduzir à insignificância.

O impacto seria eclipsar o devastador evento de Tunguska ocorrido em 1908 , que viu uma grande queda asteroide de 50 metros na Sibéria.

xkh376v7-1372241498
Evento de Tunguska ocorrido em 1908

Cerca de 80 milhões de árvores foram simplesmente achatadas e impacto gerou uma onda de choque em toda a Rússia medindo cinco graus na escala Richter. O evento é utilizado por cientistas como uma referência para a consequência catastrófica de um possível impacto de um asteroide com a Terra.

Felizmente, apesar de rotulagem Nasa como sendo um ‘evento near-Earth’, 86666 passará vários milhões de milhas de distância e é improvável que atingiu a Terra.

Bill Napier, professor de astronomia na Universidade de Buckinghamshire, disse que, se um asteroide atingir a Terra poderia “acabar com um pequeno país”.

Ele alegou ainda que apesar do risco de 86666 ser pequeno, há sempre a chance de ocorrer outro evento de Tunguska deste ou de outro asteroide em órbita da Terra.

Ele disse: “O perigo está no futuro se asteroides como este são cutucados para fora de sua órbita eles podem se tornar efetivamente mísseis.

“Há um monte de asteroides lá fora, potencialmente perigosos que ainda não foram descobertos.”

Ele diz que os riscos são maiores em comparação com 1,908 por causa do aumento da densidade populacional em todo o mundo.

earth-moon-asteroid-362232
O Asteróide 86666 vai passar fora da órbita da Lua da Terra

Ele acrescentou: “Se o evento de Tunguska tivesse atigido Londres que teria destruído a região além do M25.

“No entanto, se ele acertar o mar haveria muito pouco impacto.

“Se uma dessas coisas atingir nosso planeta no lugar errado ele poderia facilmente tirar um país pequeno do mapa.”

O Programa Near Earth Object da NASA coloca o asteroide a caminho de passar a 16 milhões de milhas. Em termos astronômicos esta é apenas uma pequena distância e perto o suficiente para motivar os astrônomos a assistir de perto até que ele passa com segurança.

Especialistas alertam que uma colisão desta magnitude provocaria uma explosão semelhante a milhões de megatons de TNT e seria capaz de matar 1,5 bilhões de pessoas.

nasa-asteroid-danger-362288
Cientistas de todo o mundo estão monitorando o progresso do asteróide, pois ele se aproxima da Terra

A ameaça de uma colisão no ano passado levou especialistas mundiais para reservar um dia para alertar sobre os perigos de objetos espaciais – Asteróides Potencialmente Perigosos  (PHAs).

Iniciativa co-fundador Grigorij Richters advertiu de que há milhares que ainda não foram identificados e que poderia “destruir a vida”.

Rusty Schweickart disse que 99% dos asteroides perigosos que atualmente cruzam o espaço atualmente não foram detectados ainda.

Isto mostra ao público mundial o nosso esforço para proteger a vida na Terra a partir deste desastre natural evitável.”

Nasa encontra água congelada e céu azul em Plutão

in Missões/NASA/New Horizons/News/Plutão by

Depois de ter anunciado evidências de água líquida encontradas em Marte, a Nasa (agência espacial americana) revelou nesta quinta-feira a presença de céu azul e água congelada em Plutão.

A sonda New Horizons registrou a primeira imagem colorida de neblina envolvendo o planeta com uma coloração azul. Essa é a consequência da forma como a luz solar é dispersa pelas partículas de neblina, segundo os cientistas.

Além disso, a sonda detectou pequenas regiões de água congelada em Plutão, o que ainda está sendo estudado. “Grandes extensões de Plutão não mostram água congelada exposta diretamente na superfície”, disse Jason Cook, especialista da Nasa.

“Porque aparentemente ela está mascarada por outros tipos de gelo mais voláteis pelo planeta. Entender por que a água aparece dessa forma e por que ela não aparece em outros lugares é um desafio.”

‘Céu azul’

Assim como a Terra, Plutão tem uma atmosfera predominantemente de nitrogênio. Mas é a interação do nitrogênio com os raios ultravioletas do sol, na presença de metano, que também está na atmosfera, que faz com que seja possível criar as partículas grossas que formam a neblina.

“Essa impressionante coloração azul nos fala muito sobre o tamanho e a composição dessas partículas”, disse Carly Howett, integrante da missão New Horizons no Instituto de Pesquisa SwRI, no Colorado.

“Um céu azul muitas vezes resulta da dispersão da luz solar em várias partículas minúsculas. Na Terra, essas partículas são moléculas de nitrogênio muito pequenas. Em Plutão, elas aparentemente são maiores – mas ainda relativamente pequenas. São partículas que chamamos ‘tholins'”.

O principal pesquisador da missão, Alan Stern, havia atiçado os fãs de Plutão nos últimos dias dizendo para eles esperarem algo “especial” nas imagens semanais que seriam divulgadas nesta quinta-feira.

“Quem poderia esperar que haveria um céu azul no Cinturão de Kuiper? Isso é maravilhoso”, disse ele, em um comunicado divulgado pela Nasa.

Mas se você estiver na superfície de Plutão e olhar para cima, o céu pareceria preto, na realidade, por causa da atmosfera rarefeita.

“A neblina é bem fina, então você veria na maior parte a cor da névoa azul como amanheceres e entardeceres”, disse Howett em entrevista à BBC.

Água congelada

Os pesquisadores da Nasa identificaram água congelada em várias regiões ao longo da superfície de Plutão.

“Nós já esperávamos que haveria água congelada lá, mas estávamos procurando sinais por décadas e não havíamos encontrado nada até agora”, tuítou Alex Parker, também do Instituto de Pesquisa SwRI.

Desde 14 de julho, a New Horizons já rondou mais de 100 milhões de km além de Plutão. E isso a coloca a 5 bilhões de km da Terra.

Essa distância gigantesca faz com que demore mais para chegarem as informações da sonda. Demorará talvez mais um ano até que todas as informações estejam com a Nasa para serem estudadas.

Descoberta de Água em Marte vira Piada para Brasileiros.

in Marte/NASA/News/Rover Curiosity by

Como não podia ser diferente, todo o mundo já conhece a fama dos Brasileiros de não levar nada a sério, os mais críticos atribuem a isto o fato do país possuir os politicos atuais o que nos levou a uma crise sem precedentes, mas por outro lado é bom, fica mais fácil de se lidar com os problemas que já não são poucos no dia a dia dos Brazucas.

Ontem logo após o anuncio da descoberta de Água em Marte e o que poderia também sugerir a descoberta de vida, não como a do planeta terra, mas vidas adaptadas ao ambiente natural do planeta vermelho, foi criada uma hashtag, #AskNasa para que os internautas enviassem suas perguntas diretamente a NASA. Até a ultima contagem, a hashtag já havia sido compartilhada mais de 23 mil vezes, porém muitas perguntas além de causar risos também naturalmente ficaram sem respostas e adivinhem de quem foi? Claro, só poderia ser de Brasileiros que justificando a fama, tornaram um assunto sério em uma piada.

Teve de tudo, Dolares, Ets, falta de água em SP, já dá para imaginar. Nâo deu? Então veja abaixo algumas das pérolas selecionadas pela equipe do UFOSFACTS.

150928161819_brasil_nasa_624x351_twitter_nocredit 150928162453_marte_dolar_624x351__nocredit 150928162636_nasa_aguasp_624x351__nocredit 150928162739_nasa_biscoito_624x351__nocredit 150928163104_marte_inimigas_624x351__nocredit 150928163411_nasa_ets_624x351__nocredit 150928163637_nasa_libertadores_624x351__nocredit

NASA confirma existência de água em Marte e possibilidade de vida.

in Marte/NASA/News/Rover Curiosity by

A NASA fez hoje o tão aguardando pronunciamento para imprensa internacional e para cientistas no mundo inteiro. A noticia de que algo grande seria revelado já vinha sendo anunciada na semana passada como o “Mistério de Marte Resolvido”, e hoje como combinado, a NASA convocou uma coletiva de imprensa para revelar a noticia tão esperada, porém quem estava esperando algo grandioso não ficou decepcionado.

Para quem já acompanha todos as noticias sobre o planeta vermelho, achou que a NASA iria expor finalmente todas as informações sobre a presença de água na superfície de Marte.

Em Abril deste ano, a NASA já havia confirmado a existência de evidências reais de que haveria água e até mesmo sal na superfície do planeta vermelho e que isto certamente permitiria uma interação mais complexa dos elementos nativos do planeta, já que sais modificam as propriedades de evaporação.

A Revelação

A NASA atesta que conseguiu encontrar evidência de que a própria água flui por lá — não apenas as substâncias salinas. A Agência revela que é possível afirmar que a água na superfície de Marte flui periodicamente. Os sais já mencionados são cloratos e percloratos, que possuem a capacidade de reter a água e evitar que ela seja evaporada tão rapidamente.

28141237987305

Em algumas épocas do ano, isso poderia gerar córregos de salmoura capazes de fazer com que a água realmente flua — não com a mesma velocidade de um rio terrestre, é claro. De acordo com os pesquisadores, se a água de Marte não for corrente, ela é “pelo menos gotejante”.

28125713673278

De acordo com um estudo da NASA publicado na Nature Geosciences , já revela o que muitos já estão esperando. A comprovação de que existe água em Marte faz com que aumentem as chances de se encontrar vida no Planeta Vermelho. Com as condições atmosféricas que podemos observar atualmente, é bem provável que existam microrganismos por lá.

Um dos cientistas responsáveis, Lujendra Ojha, cientista do Instituto de Tecnologia de Atlanta foi incisivo na publicação: “Ter certeza de que existe água líquida na superfície do planeta  é essencial para a compreensão do ciclo hidrológico e para o potencial da existência de vida em Marte”. Não estamos falando de vida como a terrestre, mas formas adaptadas à alta concentração de sais são uma grande possibilidade.

 

Nasa promete fazer Amanhã anuncio que pode ser a maior descoberta sobre Marte

in Marte/News/Rover Curiosity by

A Nasa (Agência Espacial Norte-Americana) convocou uma conferência para anunciar o que pode ser a maior descoberta sobre o planeta Marte até agora. O comunicado da agência fala em “mistério de Marte resolvido”.

O evento acontecerá nesta segunda-feira (28), às 10h30 (horário de Brasília). Participarão do anúncio o diretor de ciências planetárias da Nasa, Jim Green, o chefe do Programa de Exploração de Marte, Michael Meyer, entre outros pesquisadores da agência.

A conferência terá transmissão ao vivo pelo site da Nasa. Após o anúncio, além de uma coletiva de imprensa, a agência espacial responderá a perguntas enviadas pelas redes sociais, por meio da hashtag #AskNasa.

METANO

Em dezembro do ano passado, a Nasa anunciou que a sonda Curiosity detectou emissões de metano que duraram cerca de dois meses.

Como uma das principais fontes desse tipo de emissão é a atividade biológica, especulou-se que poderiam existir micro-organismos no “Planeta Vermelho”, o que não foi confirmado até agora.

 

Não Perca Hoje eclipse total da Super Lua – Veja as dicas como assistir

in Lua/NASA/News/Super Lua by

Pela primeira vez desde 1982, um eclipse total lunar acontecerá junto com uma Superlua, quando ela parece maior e mais brilhante. O belo evento será visível em todo o país

Um dos principais e mais belos eventos astronômicos do ano acontece na noite deste domingo (27). A partir das 23h11, será possível observar um eclipse total da Lua (quando ela fica totalmente encoberta pela sombra da Terra), junto com uma Superlua (momento em que o satélite está o mais próximo possível do planeta). A reunião dos dois fenômenos resultará em um eclipse em que a Lua vai parecer maior e mais brilhante. Essa coincidência é relativamente rara – a última foi em 1982 e irá acontecer novamente apenas em 2032, de acordo com a Nasa.
Durante o eclipse total, a Lua irá adquirir uma cor entre o alaranjado e o vermelho, o que dá ao evento o nome informal de “Lua de Sangue”. O tom surge no satélite porque quando a radiação do Sol passa pela atmosfera terrestre, ela é filtrada e ganha a cor vermelha – é o mesmo fenômeno que ocorre durante o pôr do Sol.
Visível em toda a América do Sul, partes da América do Norte, Europa, Ásia e África, o eclipse poderá ser observado em todos os Estados do Brasil. “Teremos uma visão ideal, pois durante o ápice do fenômeno, a Lua estará bem alta, no meio do céu, sem qualquer obstáculo para a observação”, explica Cristóvão Jacques, do observatório Sonear (Southern Southern Observatory for Near Earth Asteroids Research), em Minas Gerais.
Por isso, o eclipse poderá ser visto a olho nu, sem a utilização de equipamentos como binóculos e telescópios. Como qualquer evento no céu, lugares sem muita luz são os mais indicados para a visualização, pois potencializam o brilho celeste.
“Este eclipse poderá ser visto até mesmo das grandes cidades, mas um lugar mais afastado da iluminação artificial é melhor”, diz Gustavo Rojas, astrofísico da Universidade Federal de São Carlos (UFSCAR).
Como a fase com aspecto vermelho-alaranjado vai durar em torno de uma hora e a Lua estará bem no meio do céu durante o ápice do fenômeno, os astrônomos sugerem cadeiras com o apoio para o pescoço, para a melhor observação .”Como o fenômeno é de longa duração, sugiro usar uma cadeira de praia ou espreguiçadeira confortável”, diz Rundsthen Nader, professor da Universidade Federal do Rio de Janeiro e astrônomo do Observatório do Valongo, na UFRJ.

alx_lua_de_sangue-20150404-32_original
Por que a Lua fica vermelha? O eclipse total da Lua não é, como o do Sol, negro. Quando o satélite começa a entrar na parte mais escura da sombra da Terra (chamada umbra), ele vai adquirindo uma coloração entre o marrom e o avermelhado, cada vez mais intenso. A cor é a a inspiração inicial para o nome “Lua de Sangue". Isso acontece porque, quando a radiação do Sol atravessa a atmosfera terrestre, ela se torna menos intensa e, filtrada, seu espectro ganha menos luz azul e mais vermelha. Espalhada na atmosfera, essa luz e se lança na Lua, que a reflete. O fenômeno não é especial do eclipse. “A refração atmosférica da luz solar acontece da mesma forma no pôr do sol. Por isso ele tem tons de vermelho”, explica Gustavo Rojas, astrônomo e físico da Universidade Federal de São Carlos (UFSCAR).
« 1 de 5 »

Fases do eclipse – A sombra da Terra começa a passar pela Lua às 21h12, em uma fase chamada penumbral, a porção mais clara da sombra e quase imperceptível. A partir das 22h07, a Lua começa a entrar a umbra, a parte mais escura da sombra, e às 23h11 tem início a fase total – é nesse momento que a coloração avermelhada começa a surgir.
O auge do fenômeno será às 23h47, quando a Lua estará completamente coberta pela sombra da Terra, etapa que será concluída 0h23. Após esse momento, a Lua começa a deixar a sombra e, às 2h22 volta a aparecer clara e brilhante no céu.

 

Asteroide gigantesco passa “Raspando” à Terra nesta quinta-feira

in Asteroide 2012 TT5/Asteroides/Espaço/NASA/News by

Um enorme asteroide passará próximo à Terra nesta quinta-feira. Mas, contrariando qualquer teoria sobre o fim dos tempos, o objeto cruzará o espaço a uma distância de 8 milhões de quilômetros. Como o próprio setor de monitoramento de asteroides da Nasa alertou por meio do Twitter, o episódio não representa qualquer perigo para a Humanidade.

A rocha espacial, inclusive, passará a uma distância tão grande que nem será possível observá-la sem o auxílio de um potente telescópio.

O episódio ganhou relevância porque coincide justamente com as datas que vários teóricos da conspiração afirmaram que o mundo ia acabar – entre 15 de Setembro e 28 de setembro, quando a lua de sangue deve chegar.

O alerta apocalíptico original foi feito por um profeta autodeclarado Efrain Rodriguez, que disse que um grande cometa estava em rota de colisão com Porto Rico. A história ganhou visibilidade através do Facebook, enquanto ele passou a reivindicar que cientistas observassem o asteroide durante meses.

Em setembro, o Laboratório de Propulsão a Jato da Nasa já havia emitido um comunicado dizendo que a teoria não possuía qualquer embasamento.

– Não há nenhuma base científica – nenhuma evidência – de que um asteroide ou outro objeto celeste irá atingir a Terra nestas datas – declarou Paul Chodas, gerente do projeto de Objetos Próximos da Terra do Laboratório de Propulsão a Jato.

O laboratório também garantiu que todos os asteroides perigosos conhecidos têm menos de 0,01% de chance de se chocar contra o planeta nos próximos 100 anos.

Page 1 of 8
1 2 3 8
1 2 3 8
Go to Top

Powered by themekiller.com anime4online.com animextoon.com apk4phone.com tengag.com moviekillers.com